Cultural

Voltar

O papel mágico

O papel mágico
Quer ouvir uma história para entrar no clima de São João? Então conheça a do papel mágico:

Eu nasci em uma grande fábrica e fui empacotado com muitos outros iguaizinhos a mim. Todos do mesmo tamanho, da mesma cor. Éramos muitos! Um dia fomos separados e, depois, arrumados novamente em grupos menores, muito parecidos, mas com cores diferentes: azul, vermelho, verde...
Um tempo depois, o meu pacote chegou a uma loja e todos nós fomos colocados em prateleiras. Quanta coisa nova eu conheci então! Cadernos, canetas, estojos... E um montão de gente que ia comprar coisas por lá.

As canetas saíam, os cadernos saíam, os pincéis, as pastas também. Até todos os outros que haviam chegado comigo estavam saindo. E eu fui ficando na prateleira. E fui ficando triste, pois ninguém me queria. O jeito era dormir e esquecer as tristezas.

Até que um dia entrou um menino na loja. Já ia ficar esperançoso, mas fechei os olhos e continuei a dormir. Com certeza não era a mim que ele ia querer... Muito curioso, abri um olho para espiar e vi que o menininho apontou para a prateleira
onde eu estava. Meu coração disparou! Será que desta vez vou ser escolhido? Fechei bem fechados os meus olhinhos e fingi que dormia, que não sabia de nada!
Quando abri os olhos novamente, percebi que estava sendo carregado pelo menininho. Muito contente, ele ia falando sozinho: “Minha professora vai gostar. Consegui uma cor diferente.”

O menino me levou até a escola dele. Havia tantas crianças naquela escola! E quantas folhas de papel parecidas comigo! Cada criança havia trazido uma cor diferente, mas não havia nenhuma igual a minha. E logo começaram a trabalhar: pegavam a tesoura, cortavam aqui, cortavam ali e, de repente, eu e os outros papéis estávamos transformados em uma porção de bandeirinhas! As crianças pegaram a cola e foram colando as bandeirinhas num barbante. Minha cor foi aparecendo em todas as fileiras. Que beleza estava a sala com todas aquelas bandeirinhas de tantas cores diferentes penduradas nos barbantes.

No dia seguinte, crianças e professores levaram todos os cordões para o pátio da escola. Pendura daqui, puxa de lá, prende acolá e, como num passe de mágica, montaram um arraial todo enfeitado. Aí descobri porque demorei tanto na loja. É que só agora precisaram da minha cor especial para enfeitar mais ainda a festa de São João!

Adaptado de Baú de Ideias da Ivanise http://baudeideiasdaivanise.blogspot.com.br/2008/06/festa-junina-histria.html