Blog :: Xalingo

Tag - verão

Verão: cuidados com a pele das crianças

post1

post1

As férias de verão são a época mais esperada pelas crianças. Afinal, é quando podem aproveitar bastante na praia e na piscina. Porém, para que nada estrague a diversão delas, nem a tranquilidade dos pais, é preciso tomar alguns cuidados, especialmente com a pele. Confira!

 

Cuidados essenciais com a pele

Até os 6 meses, os bebês não devem ser expostos ao sol, pois o uso de protetor solar não é recomendado à pele sensível deles. Não deixe o bebê diretamente exposto ao sol e proteja-o com roupas e bonés pois mesmo embaixo do guarda-sol ele recebe radiação solar.

A partir dos 6 meses, já se pode aplicar filtro solar na criança, com fator mínimo de 30FPS. Lembrando que o protetor deve sempre ser aplicado 20min antes da exposição ao sol e reaplicado a cada 2 horas e após contato com a água. Porém, todos esses cuidados perdem sua utilidade se a exposição ao sol ocorrer entre as 10 e 16 horas, que é quando o sol fica mais forte. Nesse período, procure abrigar a criança à sombra ou, pelo menos, fazer uso de roupas e chapéus para ajudar a proteger seu filho.

 

E se ficar ardido?

Mesmo com todos os cuidados, às vezes as queimaduras solares acontecem. Quando a pele da criança ficar vermelha, ela deve evitar banhos quentes, para não irritar ainda mais. Fazer compressas frias com auxílio de um pano úmido pode ajudar a aliviar a sensação de ardência. Em farmácias, também existem hidratantes à base de água específicos para crianças, que podem ser aplicados até duas vezes por dia, para aliviar a dor e a coceira. E, claro, exposição ao sol, nem pensar!

 

Perigos na areia

Além do sol, é preciso tomar alguns cuidados no contato das crianças com a areia, pois ela pode ser transmissora de doenças cutâneas, como micoses, bicho de pé, bicho geográfico e toxoplasmose. Por isso, o melhor é não andar descalço em lugares onde animais circulam na areia, pois suas fezes podem infectá-la. Para evitar micoses, não deixe a criança ficar muito tempo sentada na areia úmida, nem andar descalça em vestiários e seque bem após o banho, especialmente em regiões de dobras, como axilas, virilhas e entre os dedos dos pés e mãos.

 

 

 

Fonte: Crescer

Guia de Proteção Solar Infantil

post1

post1

A Sociedade Brasileira de Pediatria lançou recentemente um guia para orientar pais sobre proteção solar para crianças e adolescentes. Esta necessidade surgiu após um estudo revelar que boa parte da população não aplica corretamente o filtro solar.

 

O verão está chegando e o Brasil possui níveis elevados de radiação pelos raios ultravioleta. E eles não atingem apenas as áreas litorâneas. Mesmo nos centros urbanos, onde as construções oferecem mais sombra, a radiação está presente. Por isso, é necessário proteger a pele – de crianças e adultos – da maneira certa.

 

Confira as dicas da Sociedade Brasileira de Pediatria a respeito:

 

Bebês

Antes dos 6 meses, eles não devem ser expostos diretamente ao sol. A partir dessa idade, é recomendada a exposição apenas antes das 10h ou depois das 16h.

 

Roupas

Existem muitas peças como bonés e óculos com proteção UV (procure a indicação na etiqueta). Mas peças de roupa normais também protegem. Dê preferência às feitas em nylon, seda e poliéster, que possuem fator de proteção solar maior do que as roupas de algodão, viscose e linho. Importante: roupas molhadas perdem metade do seu fator de proteção.

 

No carro

As películas dos vidros dos carros podem ajudar na proteção durante o deslocamento, uma vez que conseguem barrar até 99% dos raios UV.

 

Dê exemplo

Para que os filhos adquiram o hábito, é necessário que os pais também usem protetor solar todos os dias. Além disso, lembre os pequenos de brincar à sombra, tanto em casa quanto na escola, mesmo usando filtro solar.

 

O jeito certo

O protetor solar deve ser usado diariamente, mesmo em áreas urbanas ou em dias nublados. A aplicação dele deve ser feita 20 minutos antes da exposição ao sol. Caso haja imersão da criança em água (mar ou piscina), é necessário reaplicar.

 

Tipos de filtros

Os filtros solares físicos são feitos apenas com ingredientes naturais e, por isso, são ideais para crianças dos 6 meses aos 2 anos. Eles são mais grossos e um pouco difíceis de espalhar, mas têm menor chance de causar alergias, além de possuírem alta resistência à agua. Os filtros solares químicos só devem ser aplicados em crianças maiores de 2 anos. Além disso, eles devem ser aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

 

Fator de proteção

A partir do FPS 30, o percentual de filtro da radiação não muda muito, especialmente se a criança ficar ao sol por poucas algumas horas, sem exposição contínua. Contudo, levando em consideração que o acúmulo de danos à pele até os 18 anos pode ser prejudicial, o uso de produtos com FPS maior pode ser benéfico, pensando a longo prazo.

 

 

 

Fonte: Crescer

Protegendo as crianças dos insetos no verão

post1

O verão se aproxima e com ele, vêm também os mosquitos, pernilongos e muitos outros insetos. Pensando nisso, selecionamos estas dicas para ajudar você a proteger seus pequenos daquele incômodo coça-coça das picadas.

 

Tipos de picadas mais comuns

Com a chegada do calor, diversos insetos costumam agir mais e é preciso tomar cuidado especialmente no caso de bebês, que possuem a pele mais sensível e propensa a alergias às picadas de pernilongos e borrachudos, os maiores ‘vilões’ da temporada.

 

Como prevenir

Para evitar que os insetos ataquem as crianças, procure colocar neles roupas que cubram a maior parte do corpo. Utilizar telas e mosquiteiros no berço também ajuda. A aplicação de repelentes na pele deve ser feita com produtos adequados à idade e fazendo teste de alergia previamente. Atenção também para não aplicar em áreas que a criança possa levar à boca, como as mãozinhas, por exemplo.

 

Combatendo a coceira

Mesmo prevenindo, algumas picadas sempre podem ocorrer. Nestes casos, para aliviar a coceira, você pode recorrer a compressas frias ou procurar o pediatra para recomendar medicações de uso oral com efeito anti-histamínico ou corticosteroides tópicos.

 

Quando as picadas viram feridas

O coça-coça das picadas pode levar à formação de feridas na pele. Porém, algumas vezes, o próprio veneno do inseto pode causar uma reação inflamatória intensa na pele, que leva à formação de pequenas vesículas que posteriormente se rompem, dando lugar a uma ferida.

 

Sinais de alergia

Caso seu filho apresente mal-estar ou falta de ar, com urticária generalizada, inchaço das pálpebras ou lábios pode ser uma alergia grave à picada de inseto. Nestes casos, procure imediatamente atendimento médico.

 

 

 

 

Fonte: Pais & Filhos

Refresco de verão para a criançada

Logo começam as férias escolares e as crianças adoram se reunir para brincar nos dias ensolarados. Mas é importante lembra-las de fazer uma pausa para um lanche, para garantir energia na hora das brincadeiras.

 

Nos dias quentes, também é importante manter os pequenos hidratados. Por isso, trouxemos uma receita de refresco que eles vão adorar: Pink Lemonade (limonada rosa).

 

Ingredientes

– 7 xícaras de água

– 1 xícara de açúcar branco

– 2 ½ xícaras de suco de limão siciliano

– 2 xícaras de suco de cranberry*

– ½ xícara de açúcar mascavo

– Cubos de gelo

– Fatias finas de limão siciliano

 

Modo de preparo

Em uma panela, ferva 1 xícara de água com o açúcar branco em fogo alto, mexendo sempre até dissolver. Retire do fogo e leve à geladeira por cerca de 1 hora. Acrescente o suco de limão siciliano, o açúcar mascavo, o suco de cranberry e o restante da água. Mexa bem. Leve à geladeira e depois sirva com cubos de gelo e fatias de limão. O refresco pode ficar armazenado por até 1 dia na geladeira e rende cerca de dez copos.

 

 

*Caso não encontre o suco de cranberry, também é possível utilizar suco de uva ou de morangos, alterando pouco a cor e o sabor do refresco.

 

 

 

 

Fonte: Crescer

Pintura no gelo

gelo

gelo

 

O passo a passo de hoje é uma brincadeira fácil, divertida e super refrescante para fazer com as crianças no verão.

 

Você vai precisar de:

– Forma para gelo (você também pode usar xícaras ou potinhos)

– Bandeja com bordas

– Sal

– Corantes alimentícios líquidos

– Pipetas ou colheres

 

Na noite anterior, prepare o gelo nas fôrmas. No dia seguinte, separe alguns recipientes resistentes e faça soluções com sal e os corantes. Coloque uma cor diferente em cada recipiente.

Depois, coloque os cubos de gelo na bandeja e chame os pequenos para a diversão!

 

Com uma pipeta ou uma colher, eles vão adicionando gota a gota a solução de sal e corante sobre os gelos. O sal começará a derreter o gelo, abrindo “espaços” para a tinta entrar na estrutura de gelo. E a pintura vai colorir os cubos de gelo com padrões interessantes. Os pequenos ficam encantados!

 

O efeito visual é lindo e é uma brincadeira ótima para os dias muito quentes.

 

 

Fonte: Incrível Club

Pode instalar ar-condicionado no quarto do bebê?

ar_condicionado

Hoje em dia o ar-condicionado deixou de ser um luxo e passou a ser uma necessidade na vida de todos nós. Quando se trata de crianças, as mães ficam preocupadas com possíveis resfriados e a temperatura ideal para o quarto. Esse é um dos grandes tabus, justamente porque os bebês não sentem mais frio que os adultos e sofrem da mesma maneira com os efeitos do calor intenso.

Isso pode ser sentido principalmente com a irritação e o choro. É por esse motivo que o ar-condicionado pode ser um dos principais aliados na hora de garantir o bem-estar de todos. Ele garante uma temperatura controlada e um ambiente perfeito para descansar e relaxar. O aparelho pode estar presente, desde que algumas medidas sejam tomadas para o cuidado com os filhos.

Umidade: O principal problema do uso do ar-condicionado, até mesmo em adultos, é o ressecamento do ambiente. A umidade é retirada, o que pode agravar casos de crianças alérgicas ou com problemas respiratórios. O nariz pode ressecar e a garganta pode incomodar, se algumas precauções não forem tomadas. Os artifícios podem ser uma toalha molhada ou ainda uma bacia d’água próxima à cama ou berço. Isso garante que o ar não fique tão severamente seco. Além disso, para quem quer investir no uso frequente, um umidificador é indispensável.

Limpeza do filtro: Até mesmo os melhores aparelhos conseguem propagar algumas bactérias, partículas e micro-organismos. Eles são lançados ao ar com o aparelho e podem causar alergias, principalmente em crianças e bebês. Para evitar problemas, mantenha o filtro sempre limpo, com limpeza semanal se possível.

Período: O período em que a criança fica no quarto é também importante. Ele pode aproveitar a temperatura, mas não pode ficar o tempo todo nesse ambiente. Principalmente pelo ressecamento que o ar condicionado pode causar. Por isso, o período de sono é o melhor para deixar o ar ligado.

É sempre importante não exagerar na temperatura, já que o bebê é também mais frágil que os adultos. Ele sofre mais com a variação das temperaturas, por isso sempre programe para temperatura em torno dos 23º C a 26º C. Evite sempre de ligar o aparelho após o banho.

Posição: O local escolhido para a instalação do aparelho é também importante. Ele não deve ficar muito próximo ao berço ou cama, incidindo diretamente sobre a criança. Além disso, ele precisa estar numa posição alta, se possível próximo ao teto. Isso favorece a circulação do ar, renovando a temperatura do quarto e garantindo que ele resfrie sem esforços maiores.

ar_condicionado

 

5 dicas para curtir o verão com as crianças

Grandmother applying sunscreen to granddaughter

O Verão é uma das estações mais queridas por adultos e crianças. As praias ficam lotadas nesta época do ano por famílias que buscam descanso e diversão nas férias. As crianças têm mais tempo livre e se divertem pra valer com brincadeiras ao ar livre e passeios.

Mas a estação também traz armadilhas que podem comprometer a diversão e o descanso de toda a família. Por isso, alguns cuidados básicos ajudam os pais a aproveitar a praia tranquilamente sabendo que os filhos estão protegidos.

– Protetor solar: Essencial no Verão, este cosmético precisa ser recolocado nas crianças sempre após banhos de mar e piscina e ainda após exposição ao sol. O mercado oferece várias opções para crianças e para diferentes tipos de pele. Lembre-se ainda que é preciso evitar a exposição ao sol entre 11h e 17h, levando em consideração o horário de verão.

 – Hidratação: A perda de líquido é o maior vilão das férias e do calor. Se seu filho estiver com sede é um sinal de que seu corpo está desidratado. Para garantir que isso não aconteça, ofereça sempre líquidos antes que ele peça. Água é sempre a melhor opção, mas você ainda pode optar por sucos e água de coco.

– Alimentação na praia: É difícil resistir às delícias vendidas na beira da praia, a gente sabe. Mas é preciso sempre estar atento à oferta de produtos na sua grande maioria gordurosos e mal refrigerados. Além de serem pouco nutritivos, esses alimentos podem levar a uma intoxicação alimentar e estragar as férias da sua família. Opte por fazer uma refeição leve antes do passeio e levar frutas e água para a diversão.

– Afogamento: Crianças devem sempre estar acompanhadas de um adulto para banho de mar e de preferência equipadas com boias que garantem a tranquilidade da brincadeira. O mesmo vale para as piscinas.

– Águas vivas: O contato com as águas vivas e os ricos das queimaduras assustam crianças e pais. Caso aconteça, lave o local com água fria e corrente e procure assistência médica para avaliar a gravidade da queimadura.

Fonte: www.pedriatraemfoco.com.br

Grandmother applying sunscreen to granddaughter

Não perca as crianças de vista nestas férias

Crianças na praia

Lugares muito movimentados podem ser um pesadelo para pais de crianças pequenas ou dispersas. Afinal, eles têm a capacidade de sumir do campo de visão em apenas alguns segundos de distração dos pais ou responsáveis.  Por isso é importante que todos, adultos e pequenos, estejam preparados para enfrentar um ambiente assim sem causar muito estresse.

Antes mesmo de sair de casa para ir para a praia, um parque de diversões ou qualquer lugar com muitas pessoas, instrua os pequenos a estarem sempre junto com os pais ou responsáveis. Converse sobre os perigos da rua de uma maneira realista, sem assustar a criança. Assim, ela entende melhor a importância de não sair correndo sem rumo e sem saber como voltar. Combine pontos de encontro e use alguma roupa colorida ou de fácil identificação.

Crianças na praia

 

Uma alternativa para crianças menores ou aquelas que podem se desesperar e não conseguir pedir ajuda ou dar informações para que alguém a auxilie é ter uma identificação. Pode ser uma camiseta pintada, uma pulseira ou até mesmo uma tatuagem temporária, estilo adesivo. É importante colocar seu nome, telefone e um ponto de referência de onde encontrar a pessoa responsável pela criança.

Com alguns poucos cuidados e muita atenção é possível ter férias tranquilas e divertidas mesmo em locais muito amplos e/ou muito movimentados. E mesmo que você decida identificar a criança para que seja facilmente devolvida, uma conversa clara a instrutiva antes de sair de férias é sempre garantia de mais tranquilidade e menos preocupação.

Com a chegada do calor é preciso ter cuidado com os afogamentos

Water games

Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa) indica que afogamentos são a segunda causa de morte de crianças de 1 a 9 anos no Brasil. Perdem apenas para acidentes de trânsito. E um dado amplia o alerta aos pais: 53% dos óbitos por afogamento são em piscinas.

Por isso, todo o cuidado é pouco quando a temperatura começa a subir e os pequenos procuram as piscinas para se refrescarem e se divertirem. É importante que nas casas onde há piscinas exista uma tela cercando todo o local. Assim, não há risco da criança cair na água sem querer e acabar se afogando.

Outro cuidado importante é na hora do banho de piscina. É importante um adulto estar sempre de olho nas crianças e nas brincadeiras. Sabemos que nem sempre conseguimos cuidar 100% do tempo dos pequenos. Nestas horas, as boias são nossas “melhores amigas”. Acostume o seu filho a entrar na piscina sempre munido de boias, mesmo na parte mais rasa.

Vale lembrar que mesmo recipientes pequenos que armazenam água podem ser perigosos para as crianças. Sempre fique de olho em caixas d’água, baldes, piscinas plásticas, entre outros.

Em caso de afogamento a orientação é sempre ligar para o SAMU da sua cidade o mais rápido possível, pelo telefone 192.

Water games

E o verão vem chegando e com ele os mosquitos

mosquitos

A estação mais quente do ano vem chegando e a gente sabe que essa é uma época que a criançada adora. Férias, brincar até tarde na rua, praia, piscina e muito mais. Só que o verão também é um período bem complicado quando o assunto são insetos.

Com o calor os insetos, principalmente os mosquitos, acabam invadindo nossas casas, e muitas vezes, fazendo muito mal para os nossos pequenos. Pais de crianças com alergias à picadas de insetos precisam ter um cuidado ainda maior nessa época do ano.

Mas como manter os mosquitos e outros insetos indesejados longe das crianças? Vamos conhecer algumas “armas” usadas nesses casos:

mosquitos

– Tela mosqueteira: Se o seu filho possui problemas respiratórios, essa pode ser uma ótima opção. Você encontra no mercado modelos com permetrina, uma medicação usada para espantar parasitoses em humanos, como piolhos, e que funciona também como repelente. Se você optar pelo uso das telas, é preciso ter uma atenção especial com a limpeza, já que a poeira acumulada pode desencadear reações alérgicas.

– Inseticidas em spray: Esses produtos agem localmente, mas em um curto espaço de tempo. Muitos especialistas recomendam não usar os produtos para casas onde existem crianças menores de 12 anos. Os inseticidas podem causar alergias respiratórias e ainda levam álcool na composição. Além de serem tóxicos e fortes, podem não só irritar o nariz e a garganta como também causar reações nos olhos, como a conjuntivite.

– Inseticidas de tomada: É preciso ter cuidado para alergias nos pequenos. É preciso também ter atenção em que tomada instalar o inseticida. O ideal é sempre longe de berços e camas.

– Repelentes em creme, gel ou aerossol: Antes de usar o produto na criança, o ideal é fazer o teste num pequeno trecho de pele. Se nada acontecer, espalhe uma quantidade generosa nas áreas expostas e nunca nas mucosas (boca e olhos). Vale lembrar que não é recomendado que a criança durma usando o produto.

– Soluções naturais: Você pode recorrer às receitas caseiras para manter seus filhos seguros dos insetos. A citronela, por exemplo, é uma planta que ajuda, e muito, nessa tarefa. Os incensos e as velas com essências, por sua vez, não são nocivos, mas têm um efeito repelente muito suave e muitas vezes não controlam as infestações.