Blog :: Xalingo

Tag - tarefas

Dicas para incentivar a sustentabilidade nas crianças

post2

 

Se trabalhada desde a infância, a sustentabilidade pode se tornar um hábito quando os pequenos crescerem. Conversar com seus filhos, afilhados e sobrinhos sobre consumo consciente e os seus efeitos, ajuda as crianças a entender melhor sobre questões ambientais. E isso cria uma mudança de comportamento que eles levarão para a vida toda. Com algumas dinâmicas diárias, é possível incentivar o pensamento sustentável nos pequenos.

 

Confira as dicas que selecionamos para ajudar as crianças a cultivar uma visão mais ecológica e sustentável do mundo e suas relações.

 

Interruptores de luz com desenho de super-herói

Apagar as luzes nos ambientes que não estão sendo usados é uma das melhores formas de economizar energia em casa. Para um adulto, lembrar de apagar a luz já é habitual, mas para uma criança ainda não. Que tal instalar ou personalizar alguns interruptores com o desenho do super-herói ou personagem favorito das crianças, para incentivá-las a apagar a luz? É uma medida simples, mas que aproxima a criança do conceito de sustentabilidade, uma vez que se pode aproveitar para explicar a ela que a energia elétrica é uma forma de consumo que impacta no ambiente.

 

Transforme o tempo de banho em uma corrida

Um ou dois minutos a menos em cada banho pode economizar até 150 litros de água por mês, sem contar na economia de energia elétrica. Para ajudar a acelerar o banho dos pequenos, cronometre o tempo deles, oferecendo pequenas recompensas a cada banho com o tempo dentro do estipulado.

 

Coloque as crianças no comando da reciclagem

É bacana ensinar as crianças a fazerem a reciclagem dos resíduos alimentares em casa, através da compostagem. Para envolve-los de verdade nisso, atribua à molecada o controle da reciclagem. Isso estimulará a importância e o valor da separação do lixo doméstico. Além de ensinar sobre a reciclagem, é fundamental que os pequenos aprendam também a reduzir o consumo e, consequentemente, gerar menos resíduos.

 

Reaproveitando a água da chuva

Ensine às crianças que a água da chuva pode ser reaproveitada. Quando estiver para chover, basta colocar um balde fora da casa com uma pedra dentro para não tombar e esperar. Depois que a chuva passar, a água coletada pode ser usada para molhar plantas ou até nos vasos sanitários. Essa atividade é mais fácil para quem mora em uma casa, mas se morar em apartamento, é só descer no térreo.

 

 

Fonte: E-Cycle

Desenvolvendo a responsabilidade nas crianças

Ajudar em algumas tarefas em casa contribui para o desenvolvimento de responsabilidade nas crianças. Mesmo com pouca idade, a criança já possui capacidade motora suficiente para desempenhar uma série de atividades para si mesma ou para ajudar os pais.

 

Guardar seus brinquedos, arrumar sua mochila, lavar ou secar a louça, ajudar a tirar o lixo, etc. são tarefas que contribuem para criar noções de responsabilidade na criança, uma vez que ajudando nas tarefas elas passam a participar mais da dinâmica familiar. Dessa forma, conseguem perceber a dificuldade e o tanto que tais tarefas tomam de tempo dos pais, passando a valorizar mais esses momentos.

 

A cada idade, os pequenos já podem começar a desempenhar algumas atividades. Veja abaixo:

 

2 anos

Comece pelo que está mais inserido na rotina das crianças, como guardar os brinquedos ou os livros no seu lugar, colocar sua roupinha suja para o cesto de lavar, etc.

 

3 a 4 anos

Nessa idade, os pequenos já podem começar a arrumar a mochila da escola, dar ração ao pet ou levar seus pratos até a pia após as refeições. Eles também podem ajudar a organizar alguns objetos da casa em seus devidos lugares.

 

5 a 7 anos

Nessa idade, a criança já começa a entender melhor as noções de responsabilidade e cuidado. A partir dessa fase elas podem realizar atividades como tirar o lixo do banheiro, regar as plantas, lavar ou secar parte da louça ou ajudar a varrer o chão.

 

8 anos em diante

A partir desta idade as crianças já tem mais habilidades motoras e são capazes de desempenhar funções sem tanto risco de acidentes (como derrubar ou quebrar objetos). Elas podem ajudar a arrumar a mesa para as refeições, carregar as compras do supermercado e organizar seu próprio quarto. Com mais alguns anos, podem até ajudar a cuidar de um irmão mais novo.

 

Recentemente, o casal de youtubers Tiago e Gabi publicou um vídeo sobre este assunto, no qual discutem o tanto que as crianças podem ajudar nas tarefas domésticas a partir de uma determinada idade. Assista abaixo.

 

 

 

 

Fonte: Revista Donna

Ensine às crianças, na prática, o valor do trabalho

Quer ensinar para os pequenos o valor do dinheiro e do trabalho e, de quebra, engajá-las nas tarefas domésticas? Inspire-se nessa ideia!

Faça imãs de geladeira, ou fichinhas, com tarefas e valores. A cada tarefa que a criança cumprir, as fichinhas vão para uma caixinha ou as tarefas são sinalizadas em uma lista. Ao final da semana ou do mês (vocês deverão combinar isso), a criança receberá o valor correspondente às tarefas executadas.

Esse tipo de atividade é muito importante para as crianças compreenderem o valor do dinheiro e do trabalho, percebendo que há que se esforçar para adquirir o que deseja.

Organize-se e seja uma mãe mais feliz

Toda mulher, quando se torna mãe, percebe que as mudanças na vida não se restringem a amor, carinho, mamadas, soninho e trocas de fralda. Normalmente, as mães comentam que ter um filho é começar uma nova vida, com hábitos bem diferentes dos que tinham na vida de casada. Trabalho, lazer, cuidados da casa e de si mesma ganham novo tempo e uma nova importância.

Pensando em organizar a nova vida de mãe, a publicitária Thais Godinho, autora do blog Vida Organizada, dedicou um tempo da gravidez para a elaboração de um projeto de organização da rotina que estava por vir. Depois que seu bebê nasceu, colocou o projeto em prática, adaptando-o conforme percebia necessidade. Hoje, sente-se feliz por ser mãe, profissional e dona de casa sem deixar de lado seu lado mulher.

Para as mães que estão no meio do caos e precisam urgentemente por ordem na vida, Thais preparou uma lista de dicas que, segundo ela, funcionam – afinal, é na vida da mãe publicitária elas já foram incorporadas como hábito. As dicas também valem para as mães que só desejam um pouco mais de ordem na rotina.

Em primeiro lugar, Thais frisa que o dia tem 24 horas para todos e que as mães têm o mesmo tempo que os outros mortais. Quem se organiza encontra tempo para tudo, pois estabelece prioridades e processos facilitadores. Dizer que não tem tempo é reconhecer a falta de prioridades. Uma agenda, seja de papel ou digital, ajuda no processo de organização, por ser mais confiável do que a memória. As mães sabem o tanto de compromissos que um filho gera: consultas, vacinas, reuniões na escola, aniversários de amiguinhos, telefones de emergência… Todos estes compromissos se somam aos da casa, do trabalho e pessoais. Sem anotar, fica clara a confusão que em breve pode ocorrer!

Thais também considera fundamental o estabelecimento de uma rotina, definindo ações previsíveis para coisas do dia a dia, como preparar o almoço, as saídas com as crianças, o banho, o lanche… Esta rotina também é importante para o desenvolvimento dos filhos, que além de se sentirem mais seguros por sempre saberem o que acontecerá depois, aprendem desde cedo a organizarem-se.  Também é interessante, segundo Thais, tirar um dia da semana para estabelecer um cardápio semanal, a partir do que tem em casa. Assim, não corre o risco de chegar em casa cheia de coisas para fazer e ainda ter que correr atrás dos ingredientes, sair de novo para ir ao mercado ou ter que optar por um jantar menos saudável.

Para garantir que o dia andará da melhor maneira, a publicitária sugere incorporar às ferramentas de organização uma lista diária das tarefas necessárias, como lavar a louça, arrumar a cama, esvaziar lixeiras, guardar o que está fora do lugar etc. Basta olhar ao redor e fazer uma lista de pequenas atividades que, se forem cumpridas até o final do dia, farão a diferença. Nesta lista pode-se incluir o fim das tralhas. Thais recomenda que todos os dias 15 minutos sejam separados para esta missão: sumir com o que não serve mais, o que é lixo, está quebrado, pode ser doado (como roupas e calçados) ou vendido (como revistas e livros sem uso).

Ser mãe é um trabalho de 24 horas por dia, sete dias por semana. Turno mais do que integral. Entretanto, toda mãe precisa de um tempo para ela mesma! Pode ser uma noite para ir ao cinema, sair com as amigas, ir a uma livraria, fazer um curso ou apenas tomar um banho mais demorado, sem interrupções. A mulher precisa se ver como prioridade tanto quanto encara os filhos, o marido e o trabalho.

Mas não esqueça! Você não está sozinha e pode dividir as tarefas com seu companheiro e, quando a criança estiver maiorzinha, com ela também. Se cada um fizer a sua parte, tudo ficará sob controle e todos serão mais felizes em uma casa organizada!