Blog :: Xalingo

Tag - segurança

Como acostumar o seu pet com o bebê

bebes-e-pets

bebes-e-pets

Você já deve ter visto pela internet fotos de bebês com os seus amigos de 4 patas, não é mesmo? Mas, antes das fotos serem fofas você deve preparar o terreno para a chegada do pequeno. Separamos algumas dicas que podem ajudar nessa situação.

 

  1. O bebê está a caminho, é hora de ensinar o seu pet

Bem antes da chegada do bebê, trabalhe, ou contrate um adestrador, comandos que evitem comportamentos errados em horas inapropriadas após a chegada do pequeno. Treinar durante a gravidez, garante o tempo suficiente até a chegada do bebê.

 

  1. Prepare o seu cão bem cedo

Junto com o adestramento, algumas mudanças na rotina do seu cão deverão ser feitas ainda antes da chegada do bebê. Se ele dorme com você, sobe no sofá, tem acesso livre pela casa e por aí vai, comece cedo a limitar esses hábitos. Com a chegada do bebê, o pet perderá alguns espaços pela casa, isso é normal, e se se for trabalhado esses limites com antecedência, o cão não irá culpar o bebê por essas restrições. Acostumar o cão com cheiros de nenê é uma ótima dica também. Loções, talcos e lenços podem acostumar o olfato do pet para o grande dia.

 

  1. Seja discreto quando o bebê chegar

O seu cão é o seu reflexo, se você está agitado, ele também vai ficar. Tente fazer a primeira chegada o mais sutil possível, isso evita ao máximo despertar a curiosidade do pet. Lembre-se, cães gostam de investigar e não queremos que ele pule para saber quem é que está chegando.

 

  1. Mostre que cão é igual ao bebê

Cães marcam território, é do instinto deles, e se você empurrar ele para longe sempre que estiver com o bebê, estará mostrando que o “alfa” da casa é o pequeno. Você até o momento era a pessoa mais importante para ele e mudar isso drasticamente, pode fazer com que ele culpe o bebê. Não queremos isso, não é mesmo?

 

  1. Não largue o bebê no chão com o cachorro!

Mesmo você mostrando a igualdade para o seu cão, deixar a criança solta no chão junto ao pet, por uma questão de segurança, não é indicado logo no início. Não faça isso.

 

  1. O cão ainda é parte da sua vida, lembre disso

Os cães são espécies domesticas, logo, perderam o seu instinto de sobrevivência. Eles precisam de você, sentem dores emocionais e físicas. Uma vida trancada no pátio longe da sua família não é a forma de existência dele. Reserve um tempo diário para que eles saibam que você ainda gosta deles.

 

Depois que eles se acostumarem, você pode ter certeza de que o seu filho e o seu cão serão os melhores amigos pra sempre

 

Fonte: Adoro Cães

Deixe a sua casa mais segura para as crianças

post2

post2

Acidentes domésticos com crianças podem acontecer caso os pais não estejam atentos. Para isso, algumas ações facilitam o dia a dia e evitam que os pequenos se machuquem. Separamos algumas dicas de como deixar a sua casa mais segura.

 

1 – Cubra todas as tomadas. Evite que as crianças coloquem os dedos, ou qualquer brinquedo, nas tomadas instalando capas de proteção.

 

2 – Coloque produtos químicos em armários altos. Guarde os produtos de limpeza fora do alcance dos pequenos. Se necessário, intale cadeado nesses armários.

 

3 – Mantenha todos os medicamentos fora do alcance das crianças. Assim como os produtos de limpeza, os remédios devem ficar longe dos pequenos.

 

4 – Use grades de segurança. Se você tem escadas em casa, grades de proteção evitam muitas preocupações.

 

5 – Prenda móveis grandes no chão. Caso a criança escale os móvel, não terá o risco dele cair por cima dela.

 

6 – Cubra a piscina. Se você tiver uma piscina, compre uma lona para cobri-la e evite acidentes.

 

7 – Use grades/cercas no jardim. Brincar no pátio é muito bom, mas para evitar que a criança fuja do lugar seguro, cercas são uma ótima pedida.

 

8 – Se quebra, tire do alcance. Principalmente itens de vidro que podem machucar os pequenos.

 

9 – Cubra a ponta dos móveis. Quinas de mesas, por exemplo, podem machucar as crianças. Para evitar isso, cubra as pontas dos móveis com feltro ou alguma capa de proteção.

 

10 – Cuidados com o banheiro. Para prevenir afogamentos, compre um dispositivo que mantenha o vaso sanitário fechado e nunca deixe banheiras e baldes cheios.

 

Fonte: WikiHow

Dicas para fazer seu filho parar de chorar

Todas as crianças choram em algum momento. Umas mais, outras menos. Algumas, porém, choram muito, tendo dificuldade para se acalmar e o que quer que os pais digam, parece que as faz chorar ainda mais. Por isso, trouxemos algumas dicas para estes momentos.

 

1 – Ao invés de dizer “Está tudo bem”, diga “Eu sei que é difícil”

As crianças podem ficar muito emotivas quando caem, se machucam ou não conseguem fazer alguma atividade. Por mais que seja natural querer afirmar para eles que estão bem, isto pode fazê-los se sentir ainda piores. Prefira demonstrar seu apoio e compreensão dizendo que você sabe que é difícil ou que dói, ao invés de banalizar a dificuldade e o sentimento da criança.

 

2 – No lugar de “Pare de chorar”, tente “Eu entendo que você esteja triste”

O sonho dos pais seria que essas palavrinhas mágicas funcionassem. Mas não é porque eles falam para a criança parar de chorar, que isso realmente vai acontecer. Conversar com a criança sobre o que aconteceu ou o que ela está sentindo é muito mais eficaz, pois demonstra carinho e atenção, que ajudam a criança a se acalmar, sem menosprezar seus sentimentos.

 

3 – No lugar de “Você não precisa ter medo”, diga “Você está seguro”

Este é mais um exemplo de resposta comum dos pais, que surte efeito contrário na criança. Ao dizer que ele não precisa ficar com medo, os pais passam a sensação de que o que filho está sentindo é bobagem, quando ele acha que é muito importante. Quando os pais afirmam para a criança que ela está bem e que nada de ruim vai acontecer, eles demonstram que estão ali para protegê-la, escutando e se importando com os sentimentos dela.

 

 

 

Fonte: Pais&Filhos 

Segurança para viajar de carro

post3

post3

De janeiro a junho de 2017, mais de 7 mil crianças de até foram internadas por causa de acidentes no trânsito. Os dados são da Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado, que faz um alerta às famílias sobre a importância de fazer o transporte correto dos pequenos, especialmente com feriados prolongados e período de férias chegando.

 

Confira as recomendações da Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado para garantir a segurança das crianças ao viajar de carro – e mesmo no dia a dia.

 

– Até completar 1 ano (ou aproximadamente 13 quilos), o bebê deve ser transportado no bebê conforto, que deve ser posicionado na direção contrária a que o carro se move, ou seja, de frente para o vidro traseiro, com inclinação mínima de 45°.

 

– De 1 a 4 anos (ou até aproximadamente 18 quilos), a criança deve ser transportada na cadeirinha, que fica em posição ereta e voltada para a frente.

 

– De 4 a 7 ou 8 anos, a criança pode utilizar o banco do carro, porém com assento de elevação. Ele é necessário para que o cinto de segurança fique na posição correta. A partir do momento em que a criança conseguir apoiar totalmente as costas no encosto do banco e os pés no chão do automóvel, sem que o cinto fique sobre seu pescoço, ela pode dispensar o assento de elevação.

 

 

 

Fonte: Crescer

Como deixar sua casa segura para o bebê

post2

post2

Os bebês crescem rápido e, num piscar de olhos, estão percorrendo a casa toda, seja se arrastando, engatinhando ou caminhando. Com essa evolução, eles começam a alcançar coisas e lugares com mais facilidade, o que pode representar riscos aos pequenos. Sendo assim, é preciso tomar algumas medidas para evitar acidentes domésticos com os bebês. Confira.

 

Tire as coisas do caminho

Objetos, eletrodomésticos, cabos de energia e coisas quebráveis devem ser mantidos fora do alcance e das áreas onde a criança mais fica, como em volta do berço, área do banho e de troca de fraldas.

 

Troque as fraldas usando uma superfície baixa

Comece a trocar a fralda de seu bebê sobre uma superfície mais baixa, para evitar tombos graves caso ele role para fora. Se optar por continuar utilizando um trocador, mantenha sempre uma mão sobre o bebê enquanto o estiver trocando.

 

Deixe o berço livre

Mantenha grandes bichos de pelúcia, protetores de berço e travesseiros fora da cama do seu bebê, para que ele não possa utilizá-los para se lançar para fora do berço.

 

Cuidado com cantos afiados

Coloque almofadinhas de proteção nas bordas de móveis para evitar arranhões e batidas dolorosas.

 

Cubra as tomadas

Coloque protetores em todas as tomadas elétricas para evitar qualquer risco de choques pois mesmo que os dedinhos do bebê não caibam, eles podem inserir objetos nos furinhos da tomada.

 

Use travas nas portas de armários

Se não é possível manter sempre os pequenos longe de armários, use travas nas portas com artigos perigosos ou quebráveis, como medicamentos, produtos de limpeza, copos, etc.

 

 

 

Fonte: Pampers

Perigo nas redes sociais

Você sabia que antes mesmo de completar 5 anos, as crianças já têm cerca de 1.500 fotos suas publicadas nas redes sociais? Por mais que sejam lindos registros do desenvolvimento delas, que os familiares e amigos adorem acompanhar, esse excesso de exposição pode representar perigos aos pequenos.

 

Os pais estão sempre com a câmera a postos para registrar as fofuras e peraltices das crianças. E claro, não basta clicar – logo em seguida os registros vão parar na internet, nas redes sociais, para que amigos e família possam conferir também. Porém, quando não são tomados alguns cuidados, essa exposição da criança pode ir muito além dos que os pais imaginam e gostariam.

 

Segundo a Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), a pedofilia está entre os crimes mais praticados na internet. Por isso, todo cuidado pode ser pouco. Pessoas com as piores intenções tem sua atenção atraída por fotos íntimas de crianças, nas quais aparecem com pouca roupa, na praia ou no banho. Além disso, ações corriqueiras como uso de aplicativos e check-ins podem dar indicações da sua localização e rotina de lugares que a família e crianças frequentam – um prato cheio para criminosos articularem um sequestro a partir dessas informações.

 

Para garantir a segurança de seus filhos e família nas redes sociais, siga estas dicas:

 

Leia atentamente os termos de uso das redes sociais 

Você sabia que rede sociais, como o Facebook, especificam em seu termo de uso que, ao aceitar fazer parte da rede social, você está concordando em permitir que todas as suas fotos e vídeos sejam usadas por eles?! E isso se aplica a conteúdos compartilhados por você e seus amigos também. Isto quer dizer que, mesmo quando excluídos por você, alguns conteúdos compartilhados podem permanecer visíveis por outros (se não excluírem também). Além disso, todas as atividades realizadas no Facebook alimentam um gigantesco banco de informações, que são usadas para oferecer publicidades direcionadas aos usuários.

 

Por isso, leia sempre os termos de uso antes de concordar com eles e conheça também as configurações de privacidade, para poder gerenciar o que outras pessoas poderão ver ou compartilhar nas suas redes. Reflita muito sobre o que for publicar, especialmente envolvendo crianças – considere como isso pode ser usado negativamente, não só pela questão de perigos, mas também de situações constrangedoras, das quais a criança poderá se envergonhar ao crescer.

 

Restrinja a visibilidade dos seus conteúdos 

Quando se restringe o acesso e visibilidade de fotos, vídeos e outras informações, já se reduz consideravelmente alguns riscos – como sequestro e pedofilia, mencionados anteriormente. O ideal é ter o máximo controle sobre suas informações, e permitir que apenas familiares, amigos e pessoas que você realmente conhece e confia tenham acesso. Para isso, é necessário conhecer as regras e possibilidades de configuração da rede que estiver usando. Verifique sempre se existe a opção de excluir o conteúdo (e se ele é realmente apagado ou fica armazenado internamente pela empresa).

 

Evite usar aplicativos de localização e algumas hashtags 

Fazer check-in em locais ou usar hashtags com o nome da escola ou outros lugares que a criança frequenta é uma forma de expor a rotina online, trazendo riscos à criança. Pense sempre que você não daria essas informações a um desconhecido na rua, portanto também não deve fazê-lo online – quando o alcance dessa exposição pode ser muito maior no ambiente digital.

 

 

 

Fonte: GNT

Viaje seguro com seu bebê

bebe

bebe

 

Assim como as cadeirinhas para crianças, o bebê-conforto é indispensável para transportar recém-nascidos e bebês em viagens de carro, pois ajuda a proteger de ferimentos graves em caso de acidentes de trânsito. Porém, um novo estudo da Universidade de Bristol, na Inglaterra, mostrou que seu uso pode trazer alguns efeitos adversos.

 

Pesquisadores da Universidade de Bristol construíram um simulador de movimento para avaliar como longas viagens de carro afetavam bebês com menos de um mês de vida. O estudo demonstrou que os recém-nascidos apresentavam dificuldades para respirar e alterações nos batimentos cardíacos se deixados no bebê-conforto por mais de meia hora, principalmente em movimento.

 

Segundo os pediatras, a idade mais segura para viajar com os bebês é a partir dos três meses. Viagens muito longas de carro são desaconselháveis e é fundamental que um adulto acompanhe o bebê no banco traseiro. Fazer paradas periódicas, retirando o bebê do suporte, para que o corpo dele descanse, também é recomendável. Outro ponto importante para garantir a segurança dentro do carro é instalar o bebê-conforto voltado para a traseira do veículo, pois é uma posição mais segura em caso de colisão ou freada brusca.

 

 

 

Fonte: Crescer  

 

Natação para bebês: mitos e verdades

natacao

natacao

 

Muita gente acredita que os bebês já nascem sabendo nadar, e que essa aptidão desaparece quando eles começam a crescer. Mas a verdade não é bem assim. Por mais que pareçam familiarizados com o ambiente aquático, os recém-nascidos não são tão habilidosos. O que eles têm é um movimento intuitivo de autoproteção, conhecido como Reflexo de Natação.

 

Quando colocados na água, os recém-nascidos mexem seus braços e pernas de forma repetitiva, conseguindo permanecer estáveis, sem se afogar.  Entretanto, esse reflexo perdura apenas até os seis meses de idade.

 

Analisando o comportamento aquático dos recém-nascidos, percebeu-se que as crianças podem adquirir habilidades de nado propriamente dito apenas por volta dos cinco anos de idade, quando seu desenvolvimento motor já está maduro e elas têm mais controle do corpo.

 

Desse modo, iniciar as aulas de natação precocemente não garante que a criança dominará mais rapidamente a prática, justamente por sua capacidade neuromuscular ainda estar incompleta.

 

É importante alertar alguns pais que a natação direcionada à família, com a intenção de introduzir os bebês de forma divertida e descontraída nesse ambiente, não serve para torná-las nadadoras talentosas ou para sobreviver de forma independente numa situação de afogamento.

 

 

Fonte: Pais e Filhos 

 

Casa segura para bebês

engatinhando

engatinhando

 

Nada substitui o olhar atento dos pais, cuidando e zelando pelo bem estar dos pequenos. Mas selecionamos algumas dicas básicas para lhe ajudar a deixar sua casa mais segura para quando seu bebê começar a engatinhar.

 

1. Desça ao nível do seu bebê – literalmente

Rastejar pela sua casa ajuda a ver exatamente quais itens estão dentro de seu alcance. Por exemplo, rastejar sob sua mesa pode lembrá-la da tomada raramente utilizada que está abaixo dela e precisa ser coberta.

 

2. Bloqueie as escadas

Se houver escadas em casa, você precisará colocar portões de segurança tanto no alto quanto no fim das escadas. Se você optar por portões de pressão, lembre-se que um bebê com peso suficiente poderia movê-los. Portões de parede são uma escolha mais segura.

 

3. Elimine os cabos

Certifique-se de que qualquer coisa com cabos e fios estejam fora do alcance, incluindo babás eletrônicas e telefones. Também é aconselhável investir em telas de janelas.

 

4. Fixe itens grandes e pesados

Uma vez que o seu bebê estiver engatinhando, ele tentará subir em objetos. Certifique-se de que coisas como TVs e estantes estejam presas na parede ou no chão.

 

5. Trave quaisquer riscos potenciais

A garagem, o porão, o banheiro, a lavanderia e o escritório são todos os locais onde os conteúdos podem representar um perigo para o seu bebê. Qualquer armário contendo material de limpeza, tintas, ferramentas pesadas, pesos, peças pequenas ou produtos químicos de qualquer tipo deve ser trancado e colocado fora de alcance.

 

6. Proteja todas as quinas e tomadas

Todas as quinas pontiagudas nos móveis devem ser acolchoadas e todas as tomadas elétricas precisam ser protegidas com tampas.

 

7. Ensine a andar com segurança

Quando o bebê estiver pronto para começar a andar, pratique subir e descer as escadas, mostrando-lhe que ele deve sempre segurar o corrimão. Remova todos os tapetinhos que poderiam levá-lo a escorregar e cair.

 

 

Fonte: Pampers

Evitando acidentes no parquinho

 

Brincar em parques e playgrounds é ótimo para o desenvolvimento e socialização das crianças. Porém, alguns brinquedos podem representar riscos de acidente, especialmente para as crianças menores.

 

Pesquisas indicam que quase metade das internações infantis por acidente são em função de quedas. E, principalmente em crianças até os 4 anos, existe maior probabilidade de a cabeça ser a primeira parte a bater no chão. Até essa idade, a cabeça representa cerca de 25% do peso do corpo e ainda é bastante frágil. E brinquedos comuns em playgrounds e parques, como balanços, barras e argolas de se pendurar, são um prato cheio para esse tipo de queda.

 

Não é necessário privar a criança de frequentar esses espaços, mas alguns cuidados são necessários:

 

– Verifique se há uma idade indicativa para o uso do parquinho ou playground.

– Fique atento à altura dos brinquedos: quanto mais altos, maior o risco de lesão em caso de queda.

– Dê preferência a parquinhos com piso de areia, grama ou materiais emborrachados, ao invés de concreto.

– E, o mais importante: supervisione sempre! As crianças geralmente se arriscam mais, pois não possuem muita noção do perigo.

 

 

Fonte: Revista Crescer