Blog :: Xalingo

Tag - saúde

Alimentos que podem ser perigosos para as crianças

post3

post3

Conforme as crianças vão crescendo, elas passam a querer experimentar a mesma comida dos adultos. Isto é uma ótima oportunidade para aproveitar essa curiosidade e variar ao máximo a alimentação delas. Porém, nem todo alimento é indicado para os pequenos. Alguns alimentos podem ser prejudiciais às crianças, tanto por seu potencial de engasgos, quanto por às vezes o sistema digestivo delas ainda não estar pronto para recebê-los.

 

Até 6 meses: apenas leite materno

Bebês não necessitam de outras fontes de alimentação, além do leite materno. Até os 6 meses de vida, a amamentação consegue suprir todas as necessidades nutricionais do bebê. Quando a mãe não puder amamentar, deve ser oferecida uma fórmula complementar, e não leite de vaca, que é forte demais e pode sobrecarregar o organismo dos bebês.

 

Até 1 ano: nada de leite de vaca e mel

Estes dois alimentos não são adequados para bebês com menos de 1 ano de vida. O leite de vaca, como mencionado, sobrecarrega o organismo deles, pois não conseguem ainda digerir a proteína contida no leite. Além disso, a quantidade de minerais do leite de vaca pode prejudicar os rins do bebê.

O mel, por sua vez, pode conter esporos da bactéria Clostridium botulinum, responsável pela doença do botulismo, que produz toxinas possivelmente fatais para os bebês. Por isso, resista à tentação de adoçar sucos ou frutas com mel para oferecer ao seu filho.

 

Até 2 anos: perigo de engasgo

Quando o bebê começa a comer por conta própria, com alimentos em pedaços, é necessário que eles estejam muito bem cozidos e molezinhos. Pedaços grande de alimentos resistentes como vegetais crus, podem acabar presos na garganta da criança, fazendo com que ela se engasgue.

É preciso avaliar a capacidade mastigatória da criança para oferecer alimentos e permitir que ela coma sozinha. Corte tudo antes de dar à criança, picando ou ralando os alimentos, em pedaços que não ultrapassem cerca de 1cm.

Fique atento também com alimentos redondos (como amendoins, uvas, tomate-cereja, rodelas de salsicha), pois podem escorregar pela garganta, fugindo do controle da criança e ir para a laringe e brônquios, podendo causar a obstrução completa das vias aéreas inferiores. O mesmo perigo ocorre com sementes e caroços de frutas, que devem sempre ser removidos antes de oferecer o alimento à criança.

Outro perigo de engasgo reside em alimentos duros ou crocantes, como balas e pirulitos que, além disso não são saudáveis e podem provocar cáries.

De modo similar, alimentos moles e grudentos, como brigadeiro, também podem ficar presos na garganta da criança. Se for dar um docinho, ensine a criança a mordê-lo, ao invés colocar tudo na boca de uma só vez.

 

 

 

Fonte: BabyCenter

3 hábitos nocivos para as crianças

post1

post1

Durante seu desenvolvimento, as crianças passam por fases difíceis e muitas vezes apresentam comportamentos que deixam os pais preocupados e podem até ser nocivos à saúde delas. Por isso, é importante que os pais fiquem atentos a alguns hábitos de seus filhos, para contornar a situação e evitar problemas no futuro.

 

1. Chupar dedo

É prejudicial para os dentes da criança, além do risco de causar calos, bolhas e infecções nos dedos.

Para ajudar seu filho a se livrar desse hábito, tente manter as mãos dele ocupadas. Quando a criança se distrai com atividades que envolvam as mãos, a necessidade de chupar o dedo é deixada de lado e, aos poucos, ela vai perdendo o vício.

Outra possibilidade é trocar o dedo por uma chupeta, uma vez que o ato de sucção ainda é um reflexo primitivo. Como a chupeta é mais anatômica, causa menos males à boca e aos dentes da criança.

 

2. Dedo no nariz

Ao cutucar o nariz com frequência, a criança pode chega a se ferir, causando lesões ou sangramentos. Para ajudar seu pequeno a perder esta mania, primeiro é necessário entender a causa. Talvez ele tenha alguma alergia que cause coceira – e precisa de tratamento médico. Ou ainda, pode ser um reflexo de ansiedade e estresse – que também requerem uma avaliação profissional.

É importante não castigar ou constranger a criança, por mais que esse hábito a incomode, pois geralmente este ato é inconsciente e ela nem percebe que está fazendo. Para ajudá-la a se conscientizar e prestar mais atenção no que faz com as mãos, experimente colocar um band-aid colorido na ponta do dedo. Pode ser uma boa alternativa.

Além disso, procure manter o nariz do seu filho sempre limpo, utilizando uma toalha ou algodão com soro fisiológico e água morna para limpar as narinas. Assim você evitar que o acúmulo de sujeira possa ser uma das causas do mau hábito.

 

3. Roer as unhas

O hábito de roer as unhas, além de ser uma porta de entrada para infecções bacterianas e virais, pode fazer com que elas fiquem deformadas e tornem as pontas dos dedos mais sensíveis à dor. Seu filho pode adquirir esse mau hábito por diversos motivos, como estresse, ansiedade, nervosismo, curiosidade, tédio ou até por imitação.

Para ajudar seu filho a parar de roer as unhas, tente antes descobrir a origem do problema. Paralelo a isso, ajude-o a ter consciência desse hábito e, assim como no caso do dedo o nariz, ele preste mais atenção ao que faz com as mãos. Do mesmo modo, para algumas crianças, colocar lembretes como um curativo na ponta do dedo, funcionam muito bem.

Além disso, apare sempre as unhas do seu filho, para dificultar as mordidas.

 

 

 

Fonte: Just Real Moms

Conviver com gatos reduz risco de asma

post1

post1

Da mesma forma que já se constatou que a exposição a certos graus de ‘sujeira’ ajuda o organismo das crianças a reforçar a imunidade, pesquisas recentes indicam que ter contato com o alérgeno dos felinos também ajuda a reduzir as chances de desenvolver asma.

 

Durante muito tempo, acreditou-se que, para proteger as crianças das alergias respiratórias, o ideal seria protegê-las ao máximo de qualquer contato com animais e poeira. Estudos recentes comprovam que não é o melhor caminho. Segundo a pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, que analisou as partículas encontradas nas casas de 442 crianças em um intervalo de 7 anos, nas residências onde mais se encontrou alérgenos de gatos, foi onde as crianças menos desenvolveram a asma.

 

De acordo com os especialistas, o ideal é não criar as crianças dentro de uma bolha. É preciso deixar que elas experimentem o mundo e entrem em contato com areia, terra e grama, pois quanto maior a diversidade de alérgenos aos quais seu sistema imunológico é exposto, maiores as chances de o organismo dela responder a eles de forma no futuro.

 

É claro que manter a higiene da casa é fundamental para evitar uma série de outras doenças, mas pode deixar as crianças brincarem à vontade em parques e praças, e também com animais de estimação, pois essas ‘sujeirinhas’ são uma excelente forma de fortalecer o sistema imunológico delas.

 

 

 

Fonte: Crescer

3 sintomas que os pais não devem ignorar

post1

post1

A saúde das crianças é sempre um assunto delicado. Ao mesmo tempo em que não devem se desesperar com qualquer espirro, também não podem esperar demais para procurar um médico em alguns casos. Conheça três sintomas para os quais os pais devem ficar atentos.

 

Febre alta

Antes de qualquer coisa, é preciso saber o que é considerada uma febre alta em cada idade. Em bebês com menos de 3 meses, febres acima de 38°C; em bebês de 3 a 6 meses, acima de 39°C e, de 6 meses a 2 anos, acima de 40°C.

Até os 2 anos, casos de febre alta são mais críticos para as crianças, necessitando maior atenção dos pais. Além da temperatura, é necessário avaliar também a disposição da criança – quanto menos ativa e disposta, mais preocupante. Contate imediatamente o pediatra ou vá ao pronto-socorro. Em crianças maiores de 2 anos, as febres altas não são tão urgentes, desde que elas estejam bem hidratadas e brincando normalmente.

 

Febre por mais de 5 dias

Ainda que a temperatura não seja tão alta, febres que permanecem por mais do que 5 dias, mesmo com tratamento, devem ser relatadas ao pediatra. Normalmente os medicamentos para controlar a temperatura atuam em até 6 horas. Se após esse tempo a febre não baixar ou tornar a subir em pouco tempo, é necessário procurar o médico, pois pode ser indício de uma infecção e requererá exames específicos.

 

Febre combinada com dor de cabeça

Se além da febre, seu filho também apresentar dores de cabeça, dor no pescoço ou hematomas que parecem pontos vermelhos, muito cuidado. Contate o pediatra imediatamente, pois esses podem ser sinais de meningite.

 

 

Fonte: Pais & Filhos

Dentes: 5 perguntas e respostas

post3

post3

A dentição e a saúde bucal dos pequenos são sempre uma preocupação para os pais. Por isso, selecionamos uma série de perguntas e respostas para esclarecer as principais dúvidas. Confira.

 

1. Levar o bebê ao dentista muito cedo pode aumentar seu risco de cáries?

Estudos apontam que crianças que vão ao dentista pela primeira vez aos 3 ou 4 anos tendem a necessitar de mais procedimentos dentários do que aquelas que começaram a frequentar o consultório precocemente. O ideal é levar seu bebê ao dentista após o primeiro aniversário ou cerca de seis meses após ter seu primeiro dente. Nessa primeira consulta, é provável que o bebê permaneça no seu colo enquanto o dentista examina a boca e verifica a saúde dos dentes, gengivas e língua da criança. Aproveite para tirar dúvidas sobre como cuidar bem dos dentinhos do seu filho desde cedo.

 

2. Por que é preciso cuidar dos dentes de leite do bebê, sendo que eles vão cair de qualquer jeito?

Cuidar bem dos primeiros dentinhos do bebê é fundamental, pois a saúde dele vai afetar o desenvolvimento dentes permanentes. Quando uma cárie num dente de leite não é tratada, as bactérias produzidas podem se alojar e afetar o dente permanente.

 

3. Posso deixar meu filho de 6 anos escovar os dentes sozinho?

A resposta é clara: Não! Por mais que seu filho insista ou faça birra, ele ainda não conseguirá fazer a limpeza adequada dos seus dentes sozinho. Isto deve ocorrer somente por volta dos 9 anos. Então, papais e mamães, reforcem os trabalhos de escovação dos dentes dos pequenos até esta idade e seguir monitorando depois.

 

4. É necessário passar fio dental nos dentinhos do bebê?

Caso seu filho tenha uma lacuna entre dois dentes, uma lavagem completa deve ser suficiente. Porém, se dois dentes se tocam, o fio dental é necessário sim, para remover completamente eventuais pedaços de comida ou início de placa bacteriana que uma escova de dentes não pode alcançar.

 

5. Os dentes permanentes do meu filho estão começando a nascer, mas os dentes de leite ainda não caíram. O que fazer?

Isto é bastante comum. Cerca de 30% das crianças tem seus dentes permanente nascendo, enquanto os de leite ainda não caíram. Se não causa dor para seu filho, estimule-o a mexer nos dentes de leite que estiverem balançando, para acelerar o processo de queda deles. Caso seu filho sinta dor ou os dentes de leite não estejam ainda dando sinal de cair, procure orientação médica.

 

 

 

Fonte: Pais & Filhos

Solução caseira para a tosse

post1

post1

Uma mãe australiana tem feito sucesso na internet, divulgando receitas caseiras e naturais para tratar seus filhos. Recentemente, ela publicou uma receita de xarope para tosse, à base de cebola e açúcar. Será que funciona mesmo?

 

Segundo a australiana Carol Heaton, que possui um site de remédios caseiros, sua receita é tradição na família – sua mãe costumava dar a ela quando criança – e seria capaz de eliminar a tosse e secreções em três dias. Isto, porque a cebola é um expectorante natural, que ajuda a descongestionar as vias respiratórias, diminuindo as secreções e reforçando o sistema imunológico.

 

Confira a receita

 

Ingredientes:

1 cebola grande descascada

3 colheres de sopa de açúcar

 

Corte a cebola em fatias largas e salpique o açúcar por cima. Deixe descansar em uma tigela por algumas horas – até perceber que a cebola começou a liberar seus sucos no fundo do recipiente.

Dê uma colherada deste líquido para a criança a cada hora. O xarope deve ser sempre oferecido fresco, sendo preparado novo diariamente, e pode ser mantido na geladeira durante o período.

 

Mas realmente funciona?

Médicos e especialistas afirmam que o xarope caseiro não possui contraindicações e, apesar de ajudar a aliviar os sintomas, não é capaz de solucionar o problema. Além disso, é preciso ter cuidado pois algumas soluções caseiras podem causar reações adversas e até alergias nos pequenos. Por exemplo, receitas com mel não devem ser administradas para crianças com menos de 1 ano. Da mesma forma, crianças não devem fazer inalação com ervas, pois o risco de aumentar a irritação nas vias respiratórias aumenta.

 

Como alternativa caseira e sem riscos, os médicos recomendam o uso de chás para ajudar a amenizar os sintomas de tosses e resfriados. Nesses casos, as melhores opções seriam poejo e camomila que possuem ação anti-inflamatória, e também malva, hortelã e guaco, que ajudam a combater a tosse.

 

 

 

Fonte: Crescer 

Criança pode pintar o cabelo?

post1

post1

Recentemente, uma mãe americana causou polêmica nas redes sociais ao publicar um vídeo no qual ela tinge os cabelos de sua filha. A criança ficou feliz com o resultado, mas o que dizem os médicos sobre isso?

 

Após diversas reações positivas e muitas negativas, Charity Grace LeBlanc explicou que utilizou uma tintura vegana para colorir os cabelos da filha. O fabricante da tintura assegura que só usa ingredientes naturais na composição (porém ele não disponibiliza a fórmula completa ao público para comprovação).

 

No entanto, a opinião dos pediatras sobre pintar o cabelo das crianças é unânime: não pode. Por mais que o resultado possa ser lindo e elas adorarem, o cuidado com a saúde delas deve estar em primeiro lugar. Nenhuma tintura para cabelo, por mais natural que alegue ser natural, foi desenvolvida para crianças. Nem os fios e muito menos o couro cabeludo delas está preparado para esse tipo de substância, que pode causar irritações severas, alergias, além de danificar a estrutura dos fios.

 

Para os pequenos, a única alternativa permitida para mudar a cor dos cabelos são os sprays temporários, usados em festas infantis. Eles saem no próprio banho, sem alterar definitivamente a coloração dos fios nem causar outros danos.

 

 

 

Fonte: Crescer

Dias frios: acerte nos cuidados com o bebê

post3

post3

Quando o frio chega, muitos pais investem nas tentativas para manter seus bebês aquecidos, sem saber que alguns desses cuidados podem na verdade prejudicar a saúde dos pequenos. Confira.

 

Colocar o bebê com casaco na cadeirinha do carro

Tenha cuidado ao colocar seu bebê na cadeirinha do carro se ele estiver vestindo um casaco muito grosso, pois o cinto de segurança pode não ficar firme o suficiente em função do volume extra. Como alternativa, você pode colocar o bebê na cadeira com uma roupa mais leve, prender o cinto e depois cobri-lo com casaco ou mesmo um cobertorzinho.

 

Aquecer demais o bebê

Os bebês têm dificuldade em controlar sua temperatura corporal, então eles perdem calor rapidamente e também podem ficar quentes muito rápido. Para não errar, aprenda a reconhecer os sinais que ele dá quando está com frio ou calor. Por exemplo, se o bebê começar a suar, ficar inquieto, com febre e o rosto vermelho, ele deve estar com calor. Para saber se ele está com frio, verifique o peito, barriguinha, tronco e extremidades – se não estiverem quentinhas, adicione mais uma camada de roupa ou um cobertor.

 

Vestir o bebê com roupas de lã

As roupas de lã nunca devem ficar em contato direto com a pele do bebê e isto vale também para toucas e gorros. Coloque sempre uma camisetinha de algodão em contato direto com a pele e as demais, de lã ou não, por cima. As roupas de lã não absorvem bem o suor, podendo deixar o bebê úmido e gelado.

 

 

 

Fonte: Bebê Mamãe

Alergia alimentar X Ansiedade

post2

post2

Você sabia que a alergia alimentar nas crianças pode estar relacionada à ansiedade? É o que indica uma pesquisa realizada recentemente nos Estados Unidos.

 

A Universidade de Columbia (EUA) desenvolveu um estudo que identificou uma relação entre alergia alimentar e ansiedade em pacientes pediátricos. Os sintomas foram estudados em 80 crianças, entre 4 e 12 anos, com e sem alergia alimentar no bairro Bronx, de Nova York.

 

Quase 60% das crianças que tinham esse tipo de alergia, demonstraram também sintomas de ansiedade, contra menos de 50% das crianças não alérgicas. Frente a este cenário, os pesquisadores levantaram algumas hipóteses a respeito.

 

Levando em consideração a parcela de populações carentes no bairro no qual o estudo foi desenvolvido, os estudiosos apontam que o custo dos medicamentos para alergias alimentares, assim como o maior custo dos alimentos especiais, pode ser um fator que gera ansiedade nas famílias e, consequentemente, nas crianças. Além disso, a alergia alimentar é um fator que pode fazer a criança se sentir diferente das demais, gerando também um quadro de ansiedade social.

 

Os transtornos psicológicos como ansiedade, depressão e até síndrome do pânico, não são restritos aos adultos. Na verdade, uma em cada oito crianças apresenta sintomas de ansiedade. E diante de situações de estresse (como a alergia alimentar ou as consequências dela), a região do cérebro que comanda nossas emoções e comportamentos sociais, envia um sinal para o sistema nervoso central, deixando o corpo inteiro em estado de alerta – batimentos cardíacos acelerados, músculos tensos, aumento da transpiração, respiração ofegante, entre outros. Esses são sinais do organismo respondendo à iminência de um perigo (real ou hipotético) – os mesmos que caracterizam a ansiedade.

 

O tratamento indicado para tratar a ansiedade em crianças é a terapia cognitivo-comportamental. Ela ensina a criança a lidar com seus sentimentos de forma mais equilibrada, entendendo melhor o que sente e os fatores que desencadeiam isso. Durante o tratamento a criança é gradualmente exposta a situações que a desestabilizam para que ela desenvolva segurança para lidar com o que sente e poder encarar as situações do dia a dia com mais tranquilidade.

 

 

 

Fonte: Crescer

Mais saúde com 1 ovo por dia

post3a

post3a

Uma pesquisa recente indica que o ovo, esse alimento tão comum, pode ajudar as crianças a crescerem mais fortes e saudáveis.

 

Realizada nos Estados Unidos e no Equador, o estudo apontou que as crianças que tiveram ovos incluídos em sua alimentação diária a partir do sexto mês de vida, cresceram mais e com excelentes níveis de saúde.

 

O ovo é uma fonte muito rica em proteínas e nutrientes, como a colina e a luteína, que pertencem ao complexo B, e ajudam no desenvolvimento do cérebro, coração, visão e músculos, além de auxiliar no funcionamento do sistema nervoso central.

 

No Equador, o estudo foi realizado com 163 bebês, de 6 a 9 meses. Ele foi aplicado em uma região humilde do país, em que as crianças geralmente não apresentam bons níveis de desenvolvimento. O peso e altura dos participantes foi avaliado e acompanhado semanalmente.

 

Além do melhor crescimento, os resultados da pesquisa também mostraram que as crianças que ingeriram ovos regularmente tiveram uma redução de 74% em suas chances de ficar abaixo do peso e de 47% em suas chances de apresentarem raquitismo ou sofrer de atrofia muscular.

 

A introdução do ovo na alimentação infantil, assim como os demais alimentos, deve ocorrer de forma gradual. Dê preferência aos preparos cozidos ou mexidos, e junto a outros alimentos como vegetais, batata ou macarrão.

 

 

 

Fonte: Vix