Blog :: Xalingo

Tag - medo

Adeus medo de dentista!

post3

post3

Muitas crianças (e até alguns adultos) têm medo de ir ao dentista. Brocas, barulhos, sensações estranhas e, mais do que a dor, a possibilidade da dor, afligem muito os pequenos. Porém, existem alguns macetes para ajudar seu filho a superar o medo de ir ao dentista.

 

Informe-se com antecedência

Antes de levar seu filho à consulta, converse com o profissional, explique o que está acontecendo e entenda qual será o procedimento realizado. Assim, você vai conseguir transmitir segurança ao seu filho. Mas lembre-se de que não é necessário explicar todo o processo para seu pequeno, pois pode gerar mais medo e ansiedade. Poupe-o dos detalhes.

 

Seja verdadeiro

Os pais costumam usar a frase “não vai doer nada”. Porém, muitas vezes os tratamentos dentários são bastante desconfortáveis. Por isso, vale ser verdadeiro com a criança, informando que sim, pode doer um pouco, mas que é necessário e não é insuportável. Dessa forma você não arrisca a confiança do seu filho em você e no dentista.

 

Higiene bucal é um hábito

Converse com seu filho desde pequeno obre a importância da higiene bucal. Ela deve ser um habito diário e, se feita corretamente, com escovações e fio dental, pode até dispensar algumas visitas ao dentista. Explique a ele que cuidar bem dos dentinhos evita a necessidade de tratamentos odontológicos, sendo necessárias apenas as consultas de rotina, nas quais não há o que temer.

 

 

 

Fonte: Pais e Filhos

Você sabia? Bebês não têm medo de cobras

Cobra birth in captivity France

Na semana passada uma notícia deixou muita gente transtornada. Um bebê de 1 ano de idade matou uma cobra com uma mordida. O fato aconteceu no Rio Grande do Sul e a mãe contou que o menino estava brincando e quando percebeu ele estava com sangue e a cobra estava morta com uma dentada. Muitas crianças têm medo de animais como cachorros, por exemplo, mas porque eles não têm medo de cobras? Alguns cientistas que estudam o medo decidiram responder a essa pergunta.

Partindo da informação já comprovada de que bebês têm mais interesse por animais de verdade do que pelos de pelúcia, pesquisadores da Universidade Rutgers, do Estado americano de Nova Jersey, observaram que a atenção e a vontade de interagir persistem mesmo quando se trata de bichos peçonhentos.

Estudos como esse, publicado no Journal of Experimental Child Psychology, estão trazendo à Ciência novos insights sobre a própria natureza do medo e sobre como e quando ele surge.

Segundo Judy DeLoache, psicóloga especialista em medo da Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, o temor a serpentes é um dos mais comuns e intensos no mundo.

Cobra birth in captivity France

O Bicho Papão: vale a pena criar esse medo?

Bicho Papão, uma criação do imaginário popular, é um monstro que persegue as crianças travessas, saindo à noite de baixo da cama ou de dentro do armário, pegando os pequenos que não se comportaram ao longo do dia. No entanto, o monstro assustador que solta fumaça pelas narinas nada mais é do que uma das mais tradicionais maneiras que os pais costumam utilizar para colocar medo em uma criança, associando a desobediência a acontecimentos ruins.

O “homem do saco”, o Lobo Mau, a Cuca e até figuras originalmente “do bem” como o Papai Noel e o Coelhinho da Páscoa também são constantemente utilizados pelos pais como figuras com a função de supervisionar e punir as crianças, sendo “levando-as embora” (Homem do Saco), “comendo-as” (Bicho Papão, Lobo Mau e Cuca) ou deixando de trazer presentes (Papai Noel e Coelhinho da Páscoa).

As crianças mais novas, por estarem começando a conhecer o mundo e possuírem uma imaginação bastante fértil, creem facilmente nessas lendas e podem acabar dando dimensões bastante grandes e assustadoras para tais crenças. Por isso, esse modo que pais, babás e avós costumam usar para conter a criança deve ser evitado.

É muito mais seguro e correto ensinar a criança sobre conseqüências reais dos seus atos indevidos do que criar medos baseados em mentiras que podem desencadear outros problemas, como pesadelos, medo de dormir sozinho ou do escuro. Por exemplo, ao alertar a criança sobre se afastar de você em um lugar público, ao invés de dizer que o Bicho Papão irá pegá-la, explique como será (também assustador) se ela se perder de você. Os resultados serão igualmente úteis, e com menores conseqüências a terem que ser lidadas depois!

Medo do escuro: como lidar?

Todo mundo tem medo de alguma coisa, mesmo na fase adulta. E crianças entre os três e quatro anos comumente dividem um pânico por vezes enorme: do escuro. Este medo por vezes exagerado provém da própria imaginação dos pequenos, que, na faixa etária citada, criam personagens, fantasias e situações que os colocam em xeque na hora de dormir, principalmente quando a luz se apaga. Como lidar com isso? Conversando.

Conversar com a criança e compreender o porquê do medo são as melhores maneiras para explicá-la que os barulhos da cama ou as sombras da parede não caracterizam monstros, nem fantasmas. Dialogue tranquilamente com ela e explane, seja claro e contundente de que não há nada errado com uma sombra externa ou interna. Um erro crasso é forçar a criança a enfrentar o problema (o medo) contra a sua vontade. Sugerir que seu filho expresse o medo faz com que ele se sinta mais seguro para encarar suas próprias fantasias.

Brincadeiras também podem ajudar! Ficar ao lado do seu pequeno e tentar adivinhar, junto com ele, as sombras e barulhos que têm no quarto, são duas delas.

Quando o medo aparecer, outra boa dica é deixar um pequeno foco de luz aceso para a criança se sentir mais confortável e, consequentemente, mais segura. Ao lado de bichinhos de pelúcia, travesseiros e brinquedos preferidos – que também geram mais segurança -, uma lanterna sempre no mesmo lugar igualmente pode ajudar na hora do problema, uma vez que a criança irá acendê-la e sentir-se mais tranquila. A conversa, no entanto, é sempre a melhor forma de resolver aos poucos um empecilho que pode durar até por volta dos cinco, seis anos de idade.