Blog :: Xalingo

Tag - grupo de Whatsapp

Bom senso no grupo da escola no Whatsapp

Quando os filhos entram na escola, passam a fazer parte de um novo mundo e os pais também são afetados por isso. Porém, para eles, o “novo mundo” é o grupo de pais no Whatsapp. O aplicativo começou a ser usado há alguns anos no intuito de facilitar a comunicação entre a escola e as famílias. No entanto, nem sempre se faz bom uso desta ferramenta, reproduzindo no grupo de pais da escola, o mesmo comportamento que se tem em grupos de amigos e família. Por isso, confira estas dicas para manter o bom senso e evitar conflito com outros pais no grupo de Whatsapp da escola.

 

Liberado:

– Usar o grupo para tirar dúvidas sobre alguma mensagem da escola.

– Marcar encontros fora do ambiente da escola para as crianças brincarem.

– Obter informações sobre algum evento da escola.

– Questionar sobre objetos esquecidos ou pegos por engano entre as crianças.

– Combinar com outros pais sobre um presente coletivo para as professoras.

 

Evite:

– Enviar mensagens em horários inapropriados, como tarde da noite ou muito cedo pela manhã.

– Mandar bom dia, boa tarde ou boa noite, gerando um excesso de mensagens desnecessárias e que muitas vezes fazem com que as informações importantes se percam na conversa.

– Mensagens com arquivos pesados, figurinhas fofas, reflexões ou pornografias. O mesmo vale para debates sobre política, religião ou esportes. É necessário ter o bom senso de que o grupo da escola não é o espaço para isso.

– Enviar convites para eventos que nem todos foram convidados. Prefira sempre chamar a mãe ou pai em particular.

– Expor as crianças ou julgar outros pais, gerando fofocas e maledicências.

– Deixe para utilizar os áudios apenas em casos extremos e, quando o fizer, seja cuidadoso e objetivo.

– Enviar fotos dos seus filhos que não tenham a ver com o contexto escolar.

– Reclamações sobre a escola ou professores devem ser debatidas em reuniões específicas, diretamente com o núcleo escolar, não via grupo de Whatsapp.

 

 

 

 

Fonte: Donna