Blog :: Xalingo

Tag - desenvolvimento

Estimulando a independência

post2

post2

Após completar 1 ano de vida, a criança já pode começar a se tornar mais independente e aprender a fazer algumas atividades sozinha. É muito empolgante observar cada nova conquista dos bebês, mas também é importante permitir que eles alcancem cada etapa ao seu ritmo.

 

Comer sozinho

Após a introdução alimentar, o bebê pode começar a demonstrar interesse em usar uma colher, tentando pegá-la enquanto é alimentado. Com cerca de 1 ano e meio ele provavelmente já conseguirá segurar a colher muito bem e começar a levar comida à boca com ela. E prepare-se, pois a sujeira faz parte do aprendizado. Para ajuda-lo nesse processo, prefira colheres com ponta de borracha, para evitar que ele machuque a gengiva. Também é bom optar por utensílios inquebráveis, que possam resistir a eventuais quedas.

 

Os primeiros passos

Por volta do primeiro aninho, a maioria dos bebês já começa a dar seus primeiros passos. Para estimulá-lo, coloque-o de bruços, para que ele se movimente e role, fortalecendo os músculos das costas – que ele precisará para poder se sustentar de pé.

 

Escovando os dentes

Esta tarefa só será exercida direitinho por crianças maiores, é claro. Mas você pode começar desde cedo a estimular o hábito da higiene dental. Quando ele demonstrar interesse pela atividade, providencie uma escova adequada e macia para que ele mesmo vá praticando. Mas é claro que até seu filho conseguir executar a tarefa corretamente, você precisará complementar a higiene bucal dele.

 

 

 

Fonte: Pampers

Seu bebê está demorando para sentar e engatinhar?

Geralmente os bebês já conseguem ficar sentados sem apoio por volta dos seis meses e começam a engatinhar por volta dos nove meses. Embora este tempo seja apenas referência e cada criança tenha o seu ritmo de desenvolvimento, quando a demora se estende muito, pode ser sinal de problema.

 

Como saber se o seu bebê está demorando demais para sentar ou engatinhar?

 

Se o seu bebê chegar aos nove meses e ainda não conseguir sentar sem apoio, é preciso conversar com seu pediatra sobre o assunto.

 

Quanto a engatinhar, alguns bebês podem não engatinhar e ir direto para o andar. Outros, usam maneiras alternativas de se movimentar, como se arrastar. Mas normalmente o engatinhar acontece por volta dos nove meses de vida. Você deve se preocupar e buscar orientação médica se até os 12 meses o bebê não engatinhar nem estiver desenvolvendo esses movimentos alternativos que também trabalham a coordenação e equilíbrio.

 

 

 

Fonte: Bebê Mamãe

Começando a falar

É sempre uma grande ansiedade para os pais saber qual será a primeira palavra que seu bebê vai pronunciar. Às vezes é mamãe, às vezes é papai, ou até outras palavras. Depende muito do meio em que a criança vive e como ela é estimulada.

 

Desenvolvendo a linguagem

Os bebês desenvolvem a linguagem de forma gradual e contínua e cada um no seu próprio ritmo. Mas, de forma geral, é possível observar algumas fases comuns para a maior parte deles.

 

Emitindo sons

De início, o bebê apenas emite sons, o famoso “gu-gu”, “da-da”. Nessa etapa, ele vai aprendendo, experimentando a emissão de sons de vogais e consoantes, e iniciando a silabação (junção das consoantes e vogais). Ainda que os pais queiram atribuir sentido a esses primeiros balbucios, somente poderá ser considerado uma palavra quando for atribuído um significado ao som que o bebê está fazendo e ele usar esse som para designar alguma coisa.

 

As primeiras palavras

Entre os 10 e os 15 meses costumam surgir as primeiras palavras e por volta dos 2 anos a criança já consegue formar frases simples. Aos 3 anos, as frases já são mais complexas e estruturadas. E aos 4 anos o padrão de fala da criança já costuma ser bastante próximo ao do adulto.

 

Demorando para falar?

A ansiedade dos pais em verem os filhos falando faz com que qualquer eventual demora no ritmo deles pareça um problema. Cada criança tem o seu tempo. Algumas demoram mais para começar, mas iniciam falando melhor. Outras começam a balbuciar cedo e demoram mais para efetivamente formar suas primeiras frases. A demora da criança em começar a falar só se torna preocupante após os 2 anos. A partir desta idade, é recomendável buscar ajuda de uma fonoaudióloga para averiguar o caso. Muitas vezes, o atraso na fala está relacionado à audição. Outro fator que contribui para o atraso no desenvolvimento da linguagem é quando a criança não precisa falar para ser atendida.

 

Como estimular?

Os bebês aprendem basicamente pela imitação. Com a fala não é diferente. Portanto, a melhor forma de estimular seu filho a falar é falando. Converse com a criança, conte o que vai fazer, narre os procedimentos diários com ela, nomeie as partes do corpo na hora do banho, mostre as coisas na rua quando forem passear, etc.

 

O que evitar?

Embora seja muito comum, o uso de palavras no diminutivo pode atrapalhar o desenvolvimento da fala na criança. Ao adicionar inho/inha ao final das palavras, elas se tornam mais longas e soam muito parecidas umas com as outras. Outro fator que pode inibir a fala da criança é quando os adultos imitam o que ela fala errado e, ainda, quando se antecipam ao que ela quer, atendendo sua solicitação ao primeiro balbucio.

 

 

 

Fonte: Crescer 

Etapas do desenvolvimento dos bebês

O desenvolvimento dos bebês acontece em etapas, que iniciam de cima para baixo e do centro para as extremidades do corpo. É em função disso que a maioria dos bebês apresenta a mesma sequência de pequenas ações que pontuam seu desenvolvimento motor e cognitivo.

 

Muitos pais ficam ansiosos para ver os filhos andando, falando, sentando, etc. e forçando em estímulos que não ajudam a criança pois cada etapa acontece a seu tempo. É preciso dar liberdade para que a curiosidade da criança seja despertada e ela queira explorar ao seu redor. Ofereça um ambiente seguro, confortável e brinquedos que a convidem a ser ativa, participativa – ao invés daqueles que fazem tudo sozinhos.

 

Aos poucos, o bebê vai tomando consciência do seu corpo, percebendo suas capacidades e desenvolvendo habilidades. De abrir os olhos até começar a falar, são muitas descobertas e conquistas.

 

Confira a ordem em que estas etapas costumam acontecer:

 

1 –  Abrir os olhos e acompanhar um objeto e as pessoas

 

2 – Colocar a mãozinha na boca

 

3 – Segurar o dedo de outra pessoa ou um chocalho

 

4 –  Virar a cabeça ao escutar um som ou a voz de alguém

 

5 –  Abrir as mãos e tentar pegar algum objeto

 

6 –  Manipular um objeto com as duas mãos e passa-lo de uma mão para a outra

 

7 – Brincar batendo os objetos e ouvindo o som deles

 

8 – Ficar de barriga para baixo e levantar o pescoço para ver o que está ao seu redor

 

9 – Rolar para alcançar um objeto e perceber melhor seu corpo no espaço

 

10 – Segurar os próprios pezinhos

 

11 – Sentar e girar o tronco para pegar um brinquedo

 

12 – Bater palmas e imitar gestos e sons

 

13 – Engatinhar e conhecer o que está ao seu redor

 

14 – Ficar de pé com algum apoio

 

15 – Andar de lado para ir atrás de algo que quiser pegar

 

16 – Balançar-se quando estiver de pé

 

17 – Falar as primeiras palavras

 

18 – Andar com ajuda e depois sozinho.

 

 

 

 

Fonte: Crescer

O poder das massinhas de modelar

Brincar com massinha de modelar é uma delícia. As crianças – e muitos adultos – adoram! E, além de muito divertida, essa brincadeira ainda estimula o desenvolvimento dos pequenos.

 

O manuseio da massinha de modelar pelas crianças estimula a criatividade e imaginação delas – amassando, apertando, separando e modelando elas inventam mil possibilidades. E esse processo também contribui para a capacidade de concentração e desenvolvimento da motricidade fina delas.

 

Pensando na diversão e no desenvolvimento das crianças, a Xalingo possui uma linha de produtos com massinha de modelar: a linha Hiper Massa. Cada item traz potes de massinha e diversos moldes e acessórios para os pequenos – e talvez os pais também – brincarem muito.

 

post1

Clique AQUI e confira a linha completa.

 

 

 

Fonte: Xalingo

Evitando os excessos

post2

post2

 

O ritmo de vida atual torna-se muitas vezes estressante, e não apenas para os adultos. Alguns fatores do mundo moderno afetam negativamente o desenvolvimento das crianças, aumentando o risco de apresentarem estresse precocemente.

 

Atualmente a maioria das crianças vive em ambientes que as expõem a muitos estímulos, gerando cansaço mental, pois elas nem sempre são capazes de processar todas as informações. Isso acaba forçando seu crescimento, assumindo papéis que não são adequados à realidade e à mentalidade infantil. Seus cérebros e seus corpos na maioria das vezes não estão preparados para acompanhar o ritmo das atividades – escolares, extraescolares, familiares, etc. Todos esses fatores somados podem desencadear quadros de estresse nos pequenos, gerando consequências negativas.

 

Confira quais são os principais fatores de excesso dos dias atuais, que podem afetar seus filhos:

 

Excesso de coisas e de opções

As crianças de hoje em dia têm à sua disposição uma infinidade de coisas das quais as gerações anteriores não dispunham.  São muitos objetos, brinquedos e apetrechos que, ao invés de ajudar, acabam atrapalhando pelo excesso de estímulos. Quando a criança possui muitas opções, ela acaba tendo dificuldade para se concentrar e desenvolver uma brincadeira, por exemplo. Ela tenta dividir sua atenção entre todas as opções, e com isso não valoriza nenhuma delas.

O próprio método Montessori, bastante difundido, prega uma redução nas opções e alternância dos brinquedos deixados à disposição da criança, justamente por isso. Segundo estudos, quando se reduz a quantidade de coisas ao redor das crianças, até o comportamento delas melhora. Com menos objetos e opções, a criança consegue se organizar melhor mentalmente, o que se reflete em suas emoções e comportamento. Além disso, tendo menos objetos à disposição, a criança tem maior possibilidade de desenvolver sua imaginação e criatividade.

 

Excesso de informações

O mundo atual oferece um verdadeiro bombardeio de informações. No caso das crianças, é necessário que os pais tentem reduzir essa exposição ao excesso de informações, certificando-se de que os conteúdos que elas acessam sejam adequados para a sua idade.

 

Excesso de rapidez

A vida corrida faz com que sobre pouco tempo livre tanto para os pais quanto para as crianças. Ter esse tempo é fundamental para o desenvolvimento da criatividade, para que a criança possa brincar despreocupadamente e também para refletir e processar tudo o que acontece ao redor dela. Da mesma forma, ter um período para curtir com os pais é benéfico para a família toda, ajudando a fortalecer os laços familiares.

 

 

 

Fonte: BebêMamãe

Personalidade contagiosa

post1

post1

 

O velho ditado “Diz-me com quem andas e te direi quem és” parece ser mesmo verdadeiro, especialmente quando se trata de crianças. Um estudo recente aponta que elas são bastante influenciadas pelos amigos e colegas de escola no que se refere ao comportamento e até a personalidade.

 

Embora muito da personalidade de uma pessoa seja determinada por fatores genéticos, é inegável que sofremos interferência do meio em que vivemos, das pessoas que nos cercam e de nossas experiências de vida. E uma pesquisa feita por psicólogos da Universidade de Michigan confirma isto, salientando a convivência como um fator importante para moldar a personalidade, especialmente em crianças em idade pré-escolar.

 

Estudos de neurogenética desenvolvidos na década de 90 já indicavam que a personalidade é influenciada pelos genes, mas que eles interagem de formas complexas com o ambiente externo, gerando reações diferentes nos indivíduos.

 

A pesquisa da Universidade de Michigan partiu do princípio de que a convivência social seja um fator influenciador da personalidade já na infância para conduzir o estudo. Nele, foram analisadas crianças de 3 a 4 anos durante o ano escolar, observando seu comportamento dentro dos grupos que formavam.

 

A constatação dos pesquisadores foi de que as crianças acabavam sendo “contagiadas” pelo comportamento dos colegas e absorvendo características que não apresentavam anteriormente. Por exemplo, crianças tímidas que se envolviam com outras mais extrovertidas, acabavam se tornando mais extrovertidas também.

 

Ao examinar os traços da personalidade em crianças pequenas, a pesquisa abre uma nova possibilidade sobre o tema, sugerindo que a personalidade não seja algo tão enraizado e inalterável e que as companhias da infância podem desempenhar um papel importante nessa mudança.

 

 

Fonte: Superinteressante

Colo faz bem demais!

Uns dizem que colo faz bem. Outros, que muito colo acaba fazendo mal ao bebê. Um novo estudo, desenvolvido no National Children’s Hospital (EUA), avaliou 125 bebês e observou que aqueles que recebiam menos colo, desenvolviam menos a interação com as pessoas.

 

Receber colo, especialmente no caso de bebês prematuros, faz muita diferença no desenvolvimento da sensibilidade deles. Os pesquisadores do National Children’s Hospital (EUA) identificaram que, por passarem por procedimentos dolorosos muito cedo e ficarem isolados do contato em incubadoras, os bebês prematuros possuem sua sensibilidade ao toque afetada, respondendo menos aos estímulos.

 

Em função dos resultados do estudo citado, os especialistas vêm recomendando que as UTIs neonatais incentivem e possibilitem que os pais a tenham mais contato com os bebês – ou que isso seja feito pela equipe de profissionais, caso o acesso seja restrito. Segundo os pesquisadores, o contato com a pele da mãe ou do pai ajuda a desenvolver a parte cognitiva da criança, deixando-a mais calma e tranquila, ao trazer a lembrança dos batimentos cardíacos da mãe, quando ainda estava dentro da barriga.

 

Bebês que recebem colo e carinho desde o início da vida, tendem a ter um sono mais tranquilo e a ficar menos irritados, além de se tornarem também crianças mais carinhosas e conectadas aos pais e família.

 

 

 

Fonte: Crescer 

 

Falando a verdade para as crianças

Muitas vezes, na intenção de tranquilizar as crianças, acabamos falando para elas coisas que não são verdade. Por mais que seja com boa intenção, é uma ilusão querer protegê-las de todas dores e dificuldades da vida.

 

O exemplo que melhor ilustra isso é a hora de fazer vacinas ou coletar sangue. O impulso dos pais e até enfermeiros é dizer à criança que não vai doer, que será só uma picadinha, quando sabemos que não é bem assim. Nesse caso, ao invés da ‘mentirinha’, os pais poderiam falar a verdade para a criança, dizendo que sim, vai doer um pouquinho, que pode ser incômodo, mas que é necessário, e logo passa. É importante, numa situação assim, mostrar-se presente para dar apoio e segurança à criança.

 

A dor da vacina é apenas uma das muitas dores da vida das quais os pais tentam proteger os filhos. Porém, melhor do que a ilusão de que não sentirão dor, é eles aprenderem a lidar com ela. Quanto mais cedo os pequenos entenderem que nem tudo na vida é bom, ou fácil ou possui uma “solução mágica”, melhor eles saberão lidar com as dificuldades e frustrações no futuro.

 

É importante deixar a criança falar sobre seus medos e dores de forma aberta e franca. Mais do que dar respostas, a função dos pais nessa hora é ouvir e dar suporte, seja contando alguma história sua similar, seja reconfortando a criança de que aquilo que ela está sentindo é normal e vai passar.

 

Além de preparar melhor as crianças para a vida, isto ajuda a construir uma relação de cumplicidade entre pais e filhos.

 

 

 

Fonte: Revista Donna

“Criança não namora”

post2-destac

post2-destac

A Secretaria de Assistência Social do Amazonas organizou uma campanha que está tendo uma repercussão muito maior do que esperavam. Pais e mães de todo o país estão compartilhando nas redes sociais publicações sobre a ação “Criança não namora”, que discute a erotização precoce.

 

Lançada no início do mês de abril, a campanha “Criança não namora, nem de brincadeira” ganhou as redes sociais e a hashtag #criancanaonamora se espalhou rapidamente, em apoio à temática discutida por ela. A ação é uma parceria do governo do Amazonas com o blog Quartinho da Dany e faz parte de um projeto mais amplo, que visa ainda mobilizar escolas, comunidades, psicólogos e pais contra qualquer forma de exploração infantil.

post2

É comum em algum momento as crianças voltarem da escola e falarem que estão ‘namorando’ com algum coleguinha. Pais e professores nem sempre sabem como agir nessa situação. E, de fato, o quadro é mais complexo do que parece, pois as crianças geralmente reproduzem o comportamento dos adultos ou o que são incentivadas a fazer e dizer. Ou seja, o problema é de toda a sociedade, que acaba estimulando uma erotização precoce das crianças.

 

Especialistas alertam que é preciso respeitar cada etapa do desenvolvimento cognitivo da criança pois ela ainda não sabe o que é um namoro e não possui maturidade para compreender tudo o que envolve um relacionamento entre adultos. Daí ser normal meninos e meninas terem repulsa ao presenciar beijos entre os adultos. As demonstrações de afeto que a criança recebe em casa – abraço, beijo no rosto – são suas ferramentas afetivas para com os amiguinhos também e não devem ser deturpadas pela interpretação erotizada dos adultos.

 

Outro ponto importante neste cenário é o machismo, que transparece no incentivo que muitos pais fazem aos meninos para terem uma (ou várias) ‘namoradinhas’ na escola, enquanto que as meninas são orientadas a ‘se comportar’. Isto é muito nocivo para o desenvolvimento das crianças, pois perpetua uma conduta questionável e inadequada à maturidade delas. Quando os pequenos demonstram algum interesse ou preferência por determinados amigos, também é comum os adultos fazerem uma errônea interpretação erótica, quando na verdade a criança está apenas aprendendo a se relacionar e fazer amigos. Enxergar isto como namoro é uma projeção equivocada dos adultos.

 

Infância é para a criança brincar, aprender, se desenvolver e exercitar seus comportamentos. Quando se faz essa interpretação erotizada precoce, estamos pulando etapas no aprendizado e a criança irá apenas reproduzir comportamentos, sem verdadeiramente compreender e sem desenvolver a maturidade para eles. Nem adultos, nem crianças precisam apressar a hora de namorar nos pequenos – ela vai chegar, não é preciso estimular isto tão precocemente. Mais do que educar as crianças, é preciso reeducar os adultos – pais, família e professores – para entender e respeitar o universo infantil, sem aplicar projeções e julgamentos da vida adulta.

 

 

Fonte: Revista Crescer