Blog :: Xalingo

Tag - cuidados

Alimentos que podem ser perigosos para as crianças

post3

post3

Conforme as crianças vão crescendo, elas passam a querer experimentar a mesma comida dos adultos. Isto é uma ótima oportunidade para aproveitar essa curiosidade e variar ao máximo a alimentação delas. Porém, nem todo alimento é indicado para os pequenos. Alguns alimentos podem ser prejudiciais às crianças, tanto por seu potencial de engasgos, quanto por às vezes o sistema digestivo delas ainda não estar pronto para recebê-los.

 

Até 6 meses: apenas leite materno

Bebês não necessitam de outras fontes de alimentação, além do leite materno. Até os 6 meses de vida, a amamentação consegue suprir todas as necessidades nutricionais do bebê. Quando a mãe não puder amamentar, deve ser oferecida uma fórmula complementar, e não leite de vaca, que é forte demais e pode sobrecarregar o organismo dos bebês.

 

Até 1 ano: nada de leite de vaca e mel

Estes dois alimentos não são adequados para bebês com menos de 1 ano de vida. O leite de vaca, como mencionado, sobrecarrega o organismo deles, pois não conseguem ainda digerir a proteína contida no leite. Além disso, a quantidade de minerais do leite de vaca pode prejudicar os rins do bebê.

O mel, por sua vez, pode conter esporos da bactéria Clostridium botulinum, responsável pela doença do botulismo, que produz toxinas possivelmente fatais para os bebês. Por isso, resista à tentação de adoçar sucos ou frutas com mel para oferecer ao seu filho.

 

Até 2 anos: perigo de engasgo

Quando o bebê começa a comer por conta própria, com alimentos em pedaços, é necessário que eles estejam muito bem cozidos e molezinhos. Pedaços grande de alimentos resistentes como vegetais crus, podem acabar presos na garganta da criança, fazendo com que ela se engasgue.

É preciso avaliar a capacidade mastigatória da criança para oferecer alimentos e permitir que ela coma sozinha. Corte tudo antes de dar à criança, picando ou ralando os alimentos, em pedaços que não ultrapassem cerca de 1cm.

Fique atento também com alimentos redondos (como amendoins, uvas, tomate-cereja, rodelas de salsicha), pois podem escorregar pela garganta, fugindo do controle da criança e ir para a laringe e brônquios, podendo causar a obstrução completa das vias aéreas inferiores. O mesmo perigo ocorre com sementes e caroços de frutas, que devem sempre ser removidos antes de oferecer o alimento à criança.

Outro perigo de engasgo reside em alimentos duros ou crocantes, como balas e pirulitos que, além disso não são saudáveis e podem provocar cáries.

De modo similar, alimentos moles e grudentos, como brigadeiro, também podem ficar presos na garganta da criança. Se for dar um docinho, ensine a criança a mordê-lo, ao invés colocar tudo na boca de uma só vez.

 

 

 

Fonte: BabyCenter

Como deixar sua casa segura para o bebê

post2

post2

Os bebês crescem rápido e, num piscar de olhos, estão percorrendo a casa toda, seja se arrastando, engatinhando ou caminhando. Com essa evolução, eles começam a alcançar coisas e lugares com mais facilidade, o que pode representar riscos aos pequenos. Sendo assim, é preciso tomar algumas medidas para evitar acidentes domésticos com os bebês. Confira.

 

Tire as coisas do caminho

Objetos, eletrodomésticos, cabos de energia e coisas quebráveis devem ser mantidos fora do alcance e das áreas onde a criança mais fica, como em volta do berço, área do banho e de troca de fraldas.

 

Troque as fraldas usando uma superfície baixa

Comece a trocar a fralda de seu bebê sobre uma superfície mais baixa, para evitar tombos graves caso ele role para fora. Se optar por continuar utilizando um trocador, mantenha sempre uma mão sobre o bebê enquanto o estiver trocando.

 

Deixe o berço livre

Mantenha grandes bichos de pelúcia, protetores de berço e travesseiros fora da cama do seu bebê, para que ele não possa utilizá-los para se lançar para fora do berço.

 

Cuidado com cantos afiados

Coloque almofadinhas de proteção nas bordas de móveis para evitar arranhões e batidas dolorosas.

 

Cubra as tomadas

Coloque protetores em todas as tomadas elétricas para evitar qualquer risco de choques pois mesmo que os dedinhos do bebê não caibam, eles podem inserir objetos nos furinhos da tomada.

 

Use travas nas portas de armários

Se não é possível manter sempre os pequenos longe de armários, use travas nas portas com artigos perigosos ou quebráveis, como medicamentos, produtos de limpeza, copos, etc.

 

 

 

Fonte: Pampers

Solução caseira para a tosse

post1

post1

Uma mãe australiana tem feito sucesso na internet, divulgando receitas caseiras e naturais para tratar seus filhos. Recentemente, ela publicou uma receita de xarope para tosse, à base de cebola e açúcar. Será que funciona mesmo?

 

Segundo a australiana Carol Heaton, que possui um site de remédios caseiros, sua receita é tradição na família – sua mãe costumava dar a ela quando criança – e seria capaz de eliminar a tosse e secreções em três dias. Isto, porque a cebola é um expectorante natural, que ajuda a descongestionar as vias respiratórias, diminuindo as secreções e reforçando o sistema imunológico.

 

Confira a receita

 

Ingredientes:

1 cebola grande descascada

3 colheres de sopa de açúcar

 

Corte a cebola em fatias largas e salpique o açúcar por cima. Deixe descansar em uma tigela por algumas horas – até perceber que a cebola começou a liberar seus sucos no fundo do recipiente.

Dê uma colherada deste líquido para a criança a cada hora. O xarope deve ser sempre oferecido fresco, sendo preparado novo diariamente, e pode ser mantido na geladeira durante o período.

 

Mas realmente funciona?

Médicos e especialistas afirmam que o xarope caseiro não possui contraindicações e, apesar de ajudar a aliviar os sintomas, não é capaz de solucionar o problema. Além disso, é preciso ter cuidado pois algumas soluções caseiras podem causar reações adversas e até alergias nos pequenos. Por exemplo, receitas com mel não devem ser administradas para crianças com menos de 1 ano. Da mesma forma, crianças não devem fazer inalação com ervas, pois o risco de aumentar a irritação nas vias respiratórias aumenta.

 

Como alternativa caseira e sem riscos, os médicos recomendam o uso de chás para ajudar a amenizar os sintomas de tosses e resfriados. Nesses casos, as melhores opções seriam poejo e camomila que possuem ação anti-inflamatória, e também malva, hortelã e guaco, que ajudam a combater a tosse.

 

 

 

Fonte: Crescer 

Criança pode pintar o cabelo?

post1

post1

Recentemente, uma mãe americana causou polêmica nas redes sociais ao publicar um vídeo no qual ela tinge os cabelos de sua filha. A criança ficou feliz com o resultado, mas o que dizem os médicos sobre isso?

 

Após diversas reações positivas e muitas negativas, Charity Grace LeBlanc explicou que utilizou uma tintura vegana para colorir os cabelos da filha. O fabricante da tintura assegura que só usa ingredientes naturais na composição (porém ele não disponibiliza a fórmula completa ao público para comprovação).

 

No entanto, a opinião dos pediatras sobre pintar o cabelo das crianças é unânime: não pode. Por mais que o resultado possa ser lindo e elas adorarem, o cuidado com a saúde delas deve estar em primeiro lugar. Nenhuma tintura para cabelo, por mais natural que alegue ser natural, foi desenvolvida para crianças. Nem os fios e muito menos o couro cabeludo delas está preparado para esse tipo de substância, que pode causar irritações severas, alergias, além de danificar a estrutura dos fios.

 

Para os pequenos, a única alternativa permitida para mudar a cor dos cabelos são os sprays temporários, usados em festas infantis. Eles saem no próprio banho, sem alterar definitivamente a coloração dos fios nem causar outros danos.

 

 

 

Fonte: Crescer

Dias frios: acerte nos cuidados com o bebê

post3

post3

Quando o frio chega, muitos pais investem nas tentativas para manter seus bebês aquecidos, sem saber que alguns desses cuidados podem na verdade prejudicar a saúde dos pequenos. Confira.

 

Colocar o bebê com casaco na cadeirinha do carro

Tenha cuidado ao colocar seu bebê na cadeirinha do carro se ele estiver vestindo um casaco muito grosso, pois o cinto de segurança pode não ficar firme o suficiente em função do volume extra. Como alternativa, você pode colocar o bebê na cadeira com uma roupa mais leve, prender o cinto e depois cobri-lo com casaco ou mesmo um cobertorzinho.

 

Aquecer demais o bebê

Os bebês têm dificuldade em controlar sua temperatura corporal, então eles perdem calor rapidamente e também podem ficar quentes muito rápido. Para não errar, aprenda a reconhecer os sinais que ele dá quando está com frio ou calor. Por exemplo, se o bebê começar a suar, ficar inquieto, com febre e o rosto vermelho, ele deve estar com calor. Para saber se ele está com frio, verifique o peito, barriguinha, tronco e extremidades – se não estiverem quentinhas, adicione mais uma camada de roupa ou um cobertor.

 

Vestir o bebê com roupas de lã

As roupas de lã nunca devem ficar em contato direto com a pele do bebê e isto vale também para toucas e gorros. Coloque sempre uma camisetinha de algodão em contato direto com a pele e as demais, de lã ou não, por cima. As roupas de lã não absorvem bem o suor, podendo deixar o bebê úmido e gelado.

 

 

 

Fonte: Bebê Mamãe

Alergia alimentar X Ansiedade

post2

post2

Você sabia que a alergia alimentar nas crianças pode estar relacionada à ansiedade? É o que indica uma pesquisa realizada recentemente nos Estados Unidos.

 

A Universidade de Columbia (EUA) desenvolveu um estudo que identificou uma relação entre alergia alimentar e ansiedade em pacientes pediátricos. Os sintomas foram estudados em 80 crianças, entre 4 e 12 anos, com e sem alergia alimentar no bairro Bronx, de Nova York.

 

Quase 60% das crianças que tinham esse tipo de alergia, demonstraram também sintomas de ansiedade, contra menos de 50% das crianças não alérgicas. Frente a este cenário, os pesquisadores levantaram algumas hipóteses a respeito.

 

Levando em consideração a parcela de populações carentes no bairro no qual o estudo foi desenvolvido, os estudiosos apontam que o custo dos medicamentos para alergias alimentares, assim como o maior custo dos alimentos especiais, pode ser um fator que gera ansiedade nas famílias e, consequentemente, nas crianças. Além disso, a alergia alimentar é um fator que pode fazer a criança se sentir diferente das demais, gerando também um quadro de ansiedade social.

 

Os transtornos psicológicos como ansiedade, depressão e até síndrome do pânico, não são restritos aos adultos. Na verdade, uma em cada oito crianças apresenta sintomas de ansiedade. E diante de situações de estresse (como a alergia alimentar ou as consequências dela), a região do cérebro que comanda nossas emoções e comportamentos sociais, envia um sinal para o sistema nervoso central, deixando o corpo inteiro em estado de alerta – batimentos cardíacos acelerados, músculos tensos, aumento da transpiração, respiração ofegante, entre outros. Esses são sinais do organismo respondendo à iminência de um perigo (real ou hipotético) – os mesmos que caracterizam a ansiedade.

 

O tratamento indicado para tratar a ansiedade em crianças é a terapia cognitivo-comportamental. Ela ensina a criança a lidar com seus sentimentos de forma mais equilibrada, entendendo melhor o que sente e os fatores que desencadeiam isso. Durante o tratamento a criança é gradualmente exposta a situações que a desestabilizam para que ela desenvolva segurança para lidar com o que sente e poder encarar as situações do dia a dia com mais tranquilidade.

 

 

 

Fonte: Crescer

Estimulando a independência

post2

post2

Após completar 1 ano de vida, a criança já pode começar a se tornar mais independente e aprender a fazer algumas atividades sozinha. É muito empolgante observar cada nova conquista dos bebês, mas também é importante permitir que eles alcancem cada etapa ao seu ritmo.

 

Comer sozinho

Após a introdução alimentar, o bebê pode começar a demonstrar interesse em usar uma colher, tentando pegá-la enquanto é alimentado. Com cerca de 1 ano e meio ele provavelmente já conseguirá segurar a colher muito bem e começar a levar comida à boca com ela. E prepare-se, pois a sujeira faz parte do aprendizado. Para ajuda-lo nesse processo, prefira colheres com ponta de borracha, para evitar que ele machuque a gengiva. Também é bom optar por utensílios inquebráveis, que possam resistir a eventuais quedas.

 

Os primeiros passos

Por volta do primeiro aninho, a maioria dos bebês já começa a dar seus primeiros passos. Para estimulá-lo, coloque-o de bruços, para que ele se movimente e role, fortalecendo os músculos das costas – que ele precisará para poder se sustentar de pé.

 

Escovando os dentes

Esta tarefa só será exercida direitinho por crianças maiores, é claro. Mas você pode começar desde cedo a estimular o hábito da higiene dental. Quando ele demonstrar interesse pela atividade, providencie uma escova adequada e macia para que ele mesmo vá praticando. Mas é claro que até seu filho conseguir executar a tarefa corretamente, você precisará complementar a higiene bucal dele.

 

 

 

Fonte: Pampers

Como escolher um bom pediatra

Para a boa manutenção da saúde do seu filho, é importante escolher um bom pediatra. Mais do que um bom profissional, é preciso também construir uma relação de confiança com ele.

 

Os pediatras são os especialistas em informações de saúde, diagnóstico, e tratamento. Enquanto que os pais são os especialistas em seus filhos. Por isso, a parceria entre eles é fundamental para tomarem as melhores decisões em relação à saúde dos pequenos.

 

Atualmente, muitos profissionais de saúde elaboram um planejamento de reconsultas mesmo a criança estando saudável, desenvolvido com base nas necessidades gerais dela. Esse sistema costuma funcionar bem para a maioria das famílias, pois permite detectar possíveis problemas antecipadamente. Nesse cenário, é fundamental que os pais adotem um papel ativo, questionando sobre quaisquer preocupações ou tendências e possíveis sinais de alerta. Afinal, são os pais que estão com a criança no dia a dia, monitorando seu crescimento e observando seu desenvolvimento.

 

O ideal é fazer consultas periódicas da criança com o pediatra e não apenas quando surgir algum problema. Em todos os casos, os pais devem fornecer informações precisas sobre uma doença ou problema que a criança esteja apresentando. O trabalho do profissional de saúde é conhecer as opções de tratamento e explicá-las à família para que, juntos, eles possam chegar ao melhor plano de ação para o caso. E estas escolhas irão depender do que funciona melhor para essa família e essa criança. Por isso, é tão importante desenvolver um relacionamento de parceria com o médico.

 

Ao escolher um pediatra para o seu filho, lembre-se que essa pessoa será um parceiro nas decisões sobre a saúde dele. Por isso, deve ser alguém com quem você se sinta confortável, que confie e respeite.

 

 

 

Fonte: Pampers

Bebês x Frio

post2

post2

Nos dias mais frios os cuidados com os bebês devem ser redobrados. E, inclusive, algumas rotinas normais devem ser dispensadas, para preservar a saúde deles. Confira.

 

Lavar primeiro a cabeça

Se normalmente a orientação é lavar primeiro a cabeça do bebê e depois o corpo, nos dias frios esta rotina deve ser invertida, pois a cabeça molhada favorece muito a perda de calor do bebê. Portanto, só lave a cabeça do seu bebê primeiro, se for secá-la imediatamente. Caso contrário, ele corre risco de pegar frio.

 

Banho todos os dias

A hora do banho é um dos momentos em que o pequeno mais tem chances de passar frio, por mais cuidados que se tenha. Muitos pediatras recomendam que em dias muito frios, os bebês tomem banho apenas três vezes por semana. Nos dias em que não der banho nele, faça a higiene das genitais, pescoço, pés e mãos com algodão e água quentinha.

 

Cuidados com o ambiente

Para dar banho no seu bebê nos dias frios é muito importante atentar para a temperatura do ambiente, que deve ficar entre 16 e 20 graus. Também é fundamental evitar correntes de ar, especialmente até o bebê estar completamente seco e vestido novamente.

 

 

 

Fonte: Bebê Mamãe

Mitos e verdades sobre gravidez de gêmeos

post1

post1

 

Para muitas mulheres, a gravidez de gêmeos é um sonho. Para outras, nem tanto. De qualquer forma, a maternidade em dobro tem suas peculiaridades. É comum familiares e amigos levantarem questionamentos e preocupações na gestante – seja sobre sua forma física, sua nutrição ou como ela fará para dar conta de duas ou mais crianças ao mesmo tempo.

 

Gravidez, de modo geral, é uma fase muito intensa e sensível para qualquer mulher. Por isso, histórias negativas e desencorajadoras podem afetar bastante a futura mamãe. Além disso, a gravidez de gêmeos é cercada de muitos mitos e antigas crenças que a ciência já jogou por terra, mas em muitas famílias continuam se propagando.

 

Então, se você está grávida ou pretende engravidar de gêmeos – ou tem alguma amiga ou familiar esperando dois ou mais bebês, tire suas dúvidas conferindo o que é mito ou verdade sobre essa delicada gestação.

 

A gravidez não vai chegar até o final

Mito. Mesmo que não seja regra, a gravidez de gêmeos pode, sim, chegar até as 40 semanas. Tudo vai depender do tipo de gestação e de alguns fatores de risco da gestante, que podem interferir – como hipertensão e diabetes, por exemplo. Existem 3 tipos de gestação e cada uma possui mais ou menos chances de chegar às 40 semanas. Na primeira delas, cada feto tem a sua própria placenta e bolsa amniótica, sendo possível que a gestação chegue a 38-40 semanas. Em outro tipo, há apenas uma placenta, e os fetos têm uma bolsa cada um, o que já reduz a probabilidade de chegar até o final. Existe ainda uma terceira possibilidade, que é a mais delicada, em que existe uma única placenta e uma única bolsa amniótica para os dois bebês. Nesse caso, é recomendada a cesariana por volta das 34 semanas. Contudo, até 10-12 semanas de gestação é possível verificar o tipo de gravidez por meio de ecografia, assim a gestante pode se preparar e cuidar melhor da sua gravidez.

 

Gravidez de gêmeos exige mais cuidados

Verdade. O pré-natal é sempre fundamental, mas no caso de gêmeos, as consultas e avaliações devem ser feitas com maior frequência, pois existe o risco de prematuridade.

 

Na gravidez de gêmeos, a mulher engorda mais

Verdade. Como a ingestão calórica precisa ser maior na gravidez gemelar do que na gestação única, é natural que a grávida ganhe mais peso. Porém, não existe relação entre gravidez gemelar e obesidade. Muitas vezes, a grávida de gêmeos ainda precisa de suplementos vitamínicos, recomendados pelo médico de acordo com seu caso, para a completa nutrição dos bebês.

 

Gêmeos nunca nascem de parto normal

Mito. Assim como na gravidez única, o tipo de parto depende muito da posição dos fetos. Em gestações gemelares, é possível realizar o parto normal se os fetos tiverem cada um a sua placenta e sua bolsa amniótica e estiverem bem posicionados. Quando existe apenas uma bolsa amniótica para os dois bebês, é mais seguro realizar a cesariana, antes que a mãe entre em trabalho de parto. Nos exames feitos durante a gravidez é possível identificar o tipo de gravidez e avaliar a melhor forma de nascimento dos bebês, para que a gestante possa se programar e ficar tranquila.

 

 

 

Fonte: Revista Donna