Blog :: Xalingo

Como identificar se seu filho tem alguma alergia alimentar

Boy Holding Peanut

É comum que na infância a criança desenvolva algum tipo de alergia a alimentos. Esse problema irá lhe acompanhar durante toda a vida e por isso é necessária a atenção dos pais.

A alergia alimentar é a denominação utilizada para as Reações Adversas à Alimentos que envolvem mecanismos imunológicos, resultando em uma variedade de sintomas. O mecanismo imunológico mais frequentemente encontrado é o que envolve a imunoglobulina (anticorpo) E (IgE), que se caracteriza por rápida instalação e manifestações clínicas como urticária, broncoespasmo e, às vezes, anafilaxia. Quando as reações imunológicas não forem mediadas por IgE, as manifestações clínicas são mais tardias (horas ou dias) e isso dificulta o diagnóstico. Podem existir alergias alimentares que envolvem ambos os mecanismos. Estudos têm demonstrado que 50% a 70% dos pacientes com alergia alimentar apresentam história familiar de atopia – que é uma predisposição genética para adquirir doenças alérgicas.

Estima-se que a prevalência da alergia alimentar na população geral seja de 4%, sendo que em adultos oscila entre 1,4% e 4,0%, e em crianças menores de 3 anos atinja 6%. Cerca de 35% das crianças com dermatite atópica moderada a grave adquirem alergia alimentar e de 6% a 8% das crianças asmáticas podem apresentar crises induzidas por alimentos.

Estudos científicos têm demonstrado que 80% a 90% das reações alérgicas por alimentos acontecem provocadas por oito alimentos: leite de vaca, ovo, trigo, soja, amendoim, castanhas (nozes, amêndoas, pistache, avelã), peixes e frutos do mar.

O leite de vaca é a principal causa de alergia alimentar entre lactentes, seguido pela proteína de soja, que afeta até 0,80% dos lactentes no primeiro ano de vida. Os lactentes que recebem leite materno exclusivo podem apresentar sintomas iguais aos lactentes que ingerem leite de vaca, devido à passagem do leite de vaca consumido pela mãe para o bebe.

De maneira geral, as alergias alimentares a leite de vaca, ovo, trigo e soja desaparecem durante a infância, enquanto as reações à amendoim, nozes e frutos do mar costumam ser mais duradoras, podendo permanecer a vida inteira. De acordo com estudos recentes, 25% das crianças com alergia à proteína do leite de vaca mantém sensibilidade após os 5 anos de idade.

Não há nenhuma evidencia científica de que seja possível evitar a alergia alimentar do bebê a partir de alguma dieta de restrição da mãe, caso ela esteja amamentando. Contudo, o retardo na introdução de alimentos sólidos após quatro a seis meses de vida na alimentação do lactente parece ser favorável na prevenção de alergia alimentar.

Boy Holding Peanut

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *